Audiolivros - Livros Acessíveis para Todos.

13/02/2007 - Aquilino Rodrigues.

Mistérios para Ouvir.

O semanário Expresso acaba de lançar o primeiro número de uma coleção de audiolivros de contos de Agatha Christie. Foi com grande expectativa que hoje me dirigi ao quiosque para comprar o meu exemplar. O preço, 3 euros e vinte centavos, foi uma boa surpresa.

Comecei por admirar a embalagem, um livrinho de capa dura, do tamanho de um CD, com grafismo correto. Na contra-capa, o índice de faixas de cada título, pois que este CD contém não um, mas dois contos: "O Rei de Paus" e "Ninho de Vespas". O primeiro título tem seis faixas e o segundo quatro faixas, e logo aqui já temos uma vantagem do CD sobre as cassetes: a possibilidade de saltar diretamente para um determinado capítulo do livro.

Aberto o livrinho, deparei com a segunda surpresa. Desta feita uma partida de carnaval dos editores: o livro foi encadernado ao contrário, e por isso as páginas estão de cabeça para baixo. Corrigida a orientação, deparamos com um CD protegido numa bolsa colada ao interior da contra-capa, e com 24 páginas elegantemente ilustradas, com um resumo dos dois audiolivros e dados acerca de Agatha Christie e do herói dos contos, o famoso detetive Hercule Poirot.

Chega o momento de por os olhos, ou melhor, os ouvidos nos audiolivros propriamente ditos. O CD pode ser ouvido em qualquer leitor de CDs, tal como se um CD de música se tratasse. Uma voz conhecida anuncia "Expresso audiolivro apresenta...". E a partir daí somos imersos num mundo diferente. A narração de Fernando Alvim é entusiasta e expressiva. Achei a leitura um pouco rápida demais, mas é um fato que cada pessoa tem uma percepção diferente. A opção de incluir pequenos elementos musicais como fundo, aqui e ali, ajuda a criar uma atmosfera de mistério.

Gostei. O livro avança a um ritmo rápido e sentimos que depressa vamos chegar ao fim do livro. Detectei alguns erros gramaticais, mas nada de grave. A tradução, no global, é de boa qualidade. Estão de parabéns o Expresso e a editorial Sol90 por esta excelente produção.

A Razão de Ser dos Audiolivros.

Os audiolivros são ainda pouco conhecidos em Portugal, mas em alguns países são tradicionalmente editados como alternativa para as pessoas cegas ou com dificuldade de leitura. A BBC, por exemplo, tem uma vasta coleção de títulos editados, disponíveis nas livrarias comuns em Inglaterra.

Espera-se também em Portugal um interesse crescente nos livros falados, com algumas editoras a apostar forte neste formato. O mesmo semanário Expresso publicou um artigo sobre este tema na revista "Única" de 27 de Janeiro deste ano. Para o público em geral, os audiolivros também têm o seu lugar: as horas passadas em engarrafamentos podem agora ser preenchidas com a gratificante audição de um bom livro.

O Audiolivro DAISY.

Foi com o intuito de desenvolver o conceito de audiolivro que foi criado o formato DAISY, cujo nome é um acrônimo de "Digital Accessible Information System", ou sistema digital de informação acessível. Utilizando também CDs como suporte, o seu conteúdo é, no entanto, mais rico. O som é gravado em formato MP3, que ocupa cerca de um décimo do espaço do formato áudio de CD. Assim, um CD Daisy pode conter cerca de 10 horas de gravação. Em contrapartida, precisa de um leitor de CDs que aceite o formato MP3 para poder ser ouvido, o que hoje em dia não representa uma grande restrição. Um leitor de CDs portátil compatível com MP3 custa hoje em dia a partir de 25 euros.

Mas a grande inovação do sistema Daisy é a ligação que faz entre texto falado e texto escrito. Na produção de um título Daisy é necessário dispor da gravação áudio com a leitura, e do respectivo texto escrito. Os dois são interligados num processo designado por sincronização. Se o audiolivro DAISY for reproduzido num computador, o leitor poderá ouvir o texto ao mesmo tempo que vê o texto passando na tela. Esta funcionalidade é considerada benéfica para pessoas com dificuldades de leitura e aprendizagem, como os disléxicos, por exemplo. Daí que o sistema DAISY tenha um particular interesse para o ensino. Uma outra grande vantagem do formato DAISY é a possibilidade de localizar texto em qualquer parte do livro, e continuar a audição a partir daí. Esta é sem dúvida uma excelente ferramenta para o estudo.

Em Portugal estão a ser dados passos importantes na utilização deste formato. Em particular, o Ministério da Educação já tem vários livros escolares para o ensino secundário disponíveis em formato DAISY, para apoio aos alunos com deficiência visual e dificuldades na aprendizagem (disléxicos). No caso desses últimos, a mesma informação proveniente pelos canais da audição e da visão simultâneamente, oferece a oportunidade de uma assimilação mais fácil e rápida da mesma.