Maquete ajuda na interação de alunos com deficiência visual.

14/10/2010 - O Serrano

Em 4 de outubro, a sala de recursos de pessoas com deficiência visual da Escola Estadual Doutor Jovino Silveira passou a trabalhar com um novo equipamento de apoio à interação social e desenvolvimentos dos alunos. Uma maquete que reproduz a região central de Serra Negra faz parte do projeto de educação inclusiva "Toque e Sinta sua Cidade".

Ela tem como objetivo transmitir às crianças com deficiências visuais e demais alunos conceitos e valores sobre o município de Serra Negra, ampliar o potencial de uso do espaço construído, garantindo assim inclusão social e cultural por meio da maquete tátil, com os principais pontos da cidade, com nome de ruas, avenidas, localização de edificações, casas, lojas, bancos, prefeitura e outras referências para orientação especial escrita em braille.

A maquete tátil possibilita a compreensão de um ambiente construído, a percepção do espaço permitindo potencializar o uso das habilidades dos alunos, através de respostas sensoriais com o uso das percepções tátil e cinestésica.

Segundo a reabilitadora e pedagoga visual Adriana Bonilha, o ponto mais significativo do projeto é a real participação de todos os alunos para conhecer a dificuldade na locomoção de pessoas com deficiência, localização dos pontos centrais, ruas, avenidas, bairros e a geografia da cidade. Como a pessoa com deficiência se locomove, as técnicas utilizadas e imagem visual do espaço em que vive. “A maquete é uma ferramenta importante no estudo e análise espacial, uma vez que o volume produzido traz em si todas as características essenciais à percepção de uma edificação.

A proposta deste trabalho é criar um novo uso para a maquete, onde ela deixará de ser puramente visual para ser tateada e explorada por pessoas com deficiência visual, pois, da mesma forma que a leitura em Braille, ela atua como um instrumento educacional, sendo uma das vias de acesso ao conhecimento do espaço que os circunda”, disse a responsável pela iniciativa.

No primeiro momento esse projeto teve o intuito de trabalhar a Orientação e Mobilidade sendo uma área de atuação eminentemente prática que visa estabelecer, de forma concreta, as dificuldades que a pessoa com deficiência visual encontra quanto às barreiras arquitetônicas, andar a pé utilizando a bengala, de transportes e outras, procurando prover recursos para a sua autonomia no contato com o meio para compreender a organização do espaço urbano, de forma a facilitar sua mobilidade pela cidade.

Num segundo momento haverá a participação ativa e efetiva dos alunos, professores das demais disciplinas para trabalhar o conteúdo sobre Comunidade e Município (material permanente que poderá ser utilizado nos demais anos letivos). Participarão também os alunos das Salas de Recursos de Deficiência Intelectual e estendida aos jovens da Guarda Mirim de Serra Negra, principalmente àqueles que residem em zona rural com pouco acesso e informações do centro urbano.

Maquete confeccionada por Eugênio Borges de Almeida Rodrigues e adaptada pela professora Adriana Bonilha. Alunos da sala de recursos de deficientes visuais participaram da confecção da maquete orientando e sugerindo a Eugênio Rodrigues como deveria proceder para que o projeto alcançasse seus objetivos.