A Preeminência da Visão.

23/08/2007 - Centro de Estudos Inclusivos - UFPE*

Crença, filosofia, ciência e o cego.

Artigo a respeito do equívoco causado pela idéia de que a visão seria um sentido superior aos outros.

Resumo.

O presente trabalho apresenta crenças e embasamentos filosóficos que permeiam pesquisas científicas sobre o reconhecimento háptico (tátil) de configurações bidimensionais, demonstrando que muitas dessas pesquisas vêm corroborar premissas enviesadas, provindas dessas crenças. Mostra ainda que atualmente pesquisadores têm se libertado da visão aristotélica sobre a preeminência do sentido da visão, o que tem permitido o surgimento de nova compreensão do sistema háptico e da capacidade desse sistema no reconhecer figuras planas.

Palavras-chave: visão, tato, sistema háptico, desenho, filosofia, cego, sentidos.

Introdução.

Uma imagem pode significar mil palavras. Esta frase de há muito conhecida e repetida com freqüência é cada vez mais verdadeira. Nos dias de hoje, outdoors, painéis, faixas de todos os tipos, estão espalhadas por toda parte, comunicando informações diversas. Ícones, mapas, diagramas fazem igualmente parte do dia-a-dia das pessoas, em quase todas as situações, educacionais, de trabalho ou lazer.

No entanto, há uma parcela da população que é relegada a não se beneficiar desse veículo de informação. Cada vez mais, vestibulares para ingresso em Universidades trazem mapas e gráficos que ajudam os alunos na resolução dos problemas propostos. Porém, há um grupo de alunos para quem esses mapas e diagramas, invariavelmente, não colaboram na resolução desses problemas, pelo contrário, muitas vezes dificultam-lhes a resolução, uma vez que tais mapas e gráficos apresentam-se inadequados ao reconhecimento háptico.

Referimo-nos às pessoas com deficiência visual, mormente os cegos, a quem, em geral, é negada a possibilidade de acesso à comunicação via imagem, uma vez que esta praticamente inexiste na forma tátil.

Não bastasse isso, os mapas e gráficos tangíveis destinados ao ensino de alunos cegos são raros, e os existentes nem sempre são usados com a frequência desejável, por ou para esses alunos, contribuindo para um baixo desempenho dos sujeitos pessoa com deficiência visual, ao tentarem reconhecer figuras ou desenhos bidimensionais em relevo (Jansson, 2000, Ungar et alii, 1998). Ao não terem acesso a materiais gráficos adequados, sequer para sua educação formal; e não lhes ser propiciado maior contato com desenhos e figuras em relevo, os alunos cegos não se beneficiam do mundo amplo de possibilidades que é o mundo das imagens, sendo isso mais uma via de exclusão da pessoa com deficiência visual (Lima 1998, 2000a, 2000b).

Assim, há uma lacuna muito grande que precisa ser preenchida imediatamente, qual seja, o ensino de reconhecimento de desenhos, mapas e diagramas pelo tato, às pessoas com deficiência visual, desde sua mais tenra idade (Ungar, Blades e Spencer, 1995) (Lima 1997, 2000a, 2000c).

Mas por que não se ensina o reconhecimento de desenhos tangíveis às pessoas cegas desde crianças ou mesmo mais tarde? E por que os desenhos e mapas hápticos existentes não são usados com a frequência necessária e desejável?

A resposta a isso pode ser encontrada na crença e no embasamento filosófico das teorias que sustentam a superioridade da visão sobre os demais sentidos, inclusive o tato; na crença da incapacidade dos cegos compreenderem padrões bidimensionais pelo tato, uma vez que não tem experiência visual; e na crença de que só a visão poderia oferecer informações que permitiriam ao sujeito reconhecer figuras, mapas e gráficos adequadamente.

Crença.

É crença corrente que os cegos têm um "sexto sentido" extraordinário, bem como uma capacidade auditiva acuradíssima, isto é, que são capazes de ouvir coisas que os videntes teriam dificuldade em ouvir, ou mesmo que seriam inaudíveis para estes.

Com efeito, Wilson (apud Heller, 1991) relata que na Inglaterra, a maioria das pessoas interpreta as técnicas dos cegos em termos de algum tipo de sexto sentido misterioso. Helena F. R. Melo (1988), por sua vez. alerta: (...) Não pense que os cegos têm um sexto sentido ou que a natureza os compensou pela falta da visão. O que há de tão "surpreendente" nos cegos, é o simples desenvolvimento de recursos latentes em todos nós. Você, com o mesmo treinamento, será tão "extraordinário" quanto eles! Heller (1991) comenta que mesmo a sociedade tendo expectativas distorcidas quanto aos cegos, creditando-lhes poderes sobrenaturais, trata-os, individualmente, como os mais indefesos e dignos de dó dos mortais.

Também a crença do leigo na habilidade auditiva das pessoas com deficiência visual, como um grupo, contrasta com o trato dos videntes para com aqueles sujeitos em particular, uma vez que, individualmente, muitos videntes tendem a aumentar o tom de voz ao conversar com uma pessoa cega, ou não lhe dirigir a palavra quando ela está acompanhada. Esse comportamento dos videntes para com os cegos fez com que Helena F.R. Melo (1988) escrevesse: Os cegos não são surdos: se a pessoa cega estiver acompanhada, não se dirija ao seu companheiro quando quiser falar com ela. Dirija-se diretamente a ela, identifique-se e faça um contato físico: toque ligeiramente seu braço ou seu ombro, para que ela saiba que é com ela que estão falando. O fato de ela não retribuir seu olhar, não significa que ela não possa manter uma conversação normal.

Embora os cegos tenham sempre ocupado funções diversas, muitas das quais hoje exigem formação universitária e/ou alta especialização, por exemplo professores universitários, bibliotecários, pesquisadores, juizes de direito, fisioterapeutas, publicitários, escritores4, programadores, analistas de sistemas etc; alguns dos cegos mais popularmente conhecidos são cantores e/ou músicos. Por exemplo: Francisco Landino, o florentino cego, teria sido um dos primeiros a fazer uso da nova invenção do pedal, no século XIV, ao órgão, o que possibilitou a execução de sons que perduravam por mais tempo; Antônio Cabezón, organista cego do século XV (Kurt Pahlen, 1991, p. 231); o compositor cego Joaquim Rodrigo, espanhol, autor do famoso Concierto de Aranjuez; o atualíssimo tenor Andrea Bocelli, egresso da pop para a música erudita; na música pop internacional, Ray Charles e Stevie Wonder; e na brasileira, a cantora Kátia e, mais recentemente o grupo Tribo de Jah5.

Esses parecem corroborar a crença na capacidade excepcional do cego em ouvir, seja entre as pessoas leigas, seja, até mesmo, entre os profissionais que cuidam, educam, ensinam e/ou trabalham com pessoas cegas, de tal sorte que fez Helena F.R. Melo (1988) registrar a seguinte observação: "Não pense que todos os deficientes visuais têm dons artísticos e um incrível pendor musical. A proporção de músicos cegos é a mesma que a de músicos entre os videntes. Muitos cegos são tão musicais quanto eu ou você: apenas sabem tocar bem uma campainha!"(p. 8)

Á parte do meio musical, pouquíssimos são os cegos que recebem publicidade quanto a sua profissão, ou caem no conhecimento popular como sendo juizes de direito, jornalistas, professores universitários, atores, artistas-plásticos, etc.

Orientações internacionais como a Declaração de Salamanca, promulgada em 1994. bem como leis federais (tais como a 7853/89, 8028/90) e os decretos 914/93 e 3.298/99, entre outros, propõem o acesso à educação, ao esporte e ao lazer das pessoas com deficiência visual, garantindo-lhes, assim, a inclusão também nas áreas que fazem uso de desenhos, mapas e diagramas, entendendo a potencialidade dos sujeitos com deficiência visual para essas áreas.

Entretanto, até mesmo alguns educadores, pesquisadores e as próprias pessoas com deficiência visual ainda manifestam a crença na incapacidade de os cegos poderem fazer uso ótimo de configurações bidimensionais como mapas, diagramas ou desenhos em relevo como meio de expressão de suas impressões do mundo e como material de apoio a sua educação e orientação e mobilidade.

Os sujeitos com deficiência visual, muitas vezes apresentam baixa expectativa sobre si e suas capacidades e potencialidades. Isso se daria, em parte, por conta dos próprios educadores, psicólogos e pesquisadores, muitas vezes deixarem transparecer esse sentimento para com os pessoa com deficiência visual, refletindo em suas pesquisas e ensinamentos essa baixa expectativa sobre a potencialidade e capacidade das pessoas com deficiência visual (Heller, 1991).

Os educadores dos cegos, por vezes, deparando-se com o baixo desempenho dos sujeitos a quem instruem, não atentam para o fato de que sua intervenção é crucial para o desenvolvimento social e intelectual daqueles sujeitos, e que com essa intervenção contribuem para o desempenho de seus alunos; desempenho este que às vezes se dá paulatinamente. O caráter "lento" de desenvolvimento de certas habilidades dos cegos às vezes constitui fator de desânimo para os educadores dessas pessoas e pode servir como corroboração para a crença de que esses sujeitos são incapazes ou deficientes no reconhecimento de desenhos, mapas e diagramas táteis.

Pesquisas já demonstraram que, embora muitas crianças cegas apresentem desempenho menor (de até 3 anos) em fase escolar, comparativamente ao das crianças videntes, podem superar esse desempenho quando mais velhas (Hatwell, 1985).

Não obstante a essas pesquisas, não é incomum a crença de que as pessoas com deficiência visual têm associadamente um déficit mental. Isso é manifestado na postura de leigos e profissionais que, muitas vezes ao tratar pessoas adultas com deficiência visual, comportam-se como se estivessem lidando com "criancinhas" indefesas, sem opinião e gosto próprios; muitos deles explicam tudo duas ou mais vezes à pessoa com deficiência visual, fazendo uso de diminutivos e com uma sequência infinita de "entendeu"?

Filosofia.

Entre outras, essas crenças não são novas e nem exclusivas dos leigos, pelo contrário, vêm sendo compartilhadas por filósofos com Aristóteles, para quem a visão era o sentido mais perfeito e o tato, o mais necessário; e o empirista inglês John Locke, para quem é mister se ter experiência sensorial prévia, e por cientistas como Revesz (1950) e Von Senden (1960).

Segundo Aristóteles (apud Thomas Aquinas, 1995), o sentido da visão é superior aos demais sentidos, pois permitiria uma melhor compreensão e conhecimento perfeito do mundo. "(980a) O homem naturalmente deseja o conhecimento. Uma indicação disso é nossa veneração pelos nossos sentidos, pois, à parte de seus usos, nós os veneramos por sua própria existência, e o mais venerado de todos é o sentido da visão. De modo geral, não só quando com vista para a ação, mas mesmo quando não há ação para ser contemplada, preferimos a visão entre todos os outros sentidos. A razão disso é que dentre todos os sentidos a visão melhor nos ajuda a conhecer as coisas e revela muitas diferenças." (Aristóteles, Livro 1 da Metafísica, in Aquinas, 1995, p. 4-5).

Consoante a visão aristotélica, os sentidos nos serviriam para o conhecimento das coisas e para a utilidade da vida, por isso nós os amaríamos por si mesmos. Para corroborar sua afirmação Aristóteles cita o exemplo da visão, que, em sua opinião, é o sentido mais cognoscitivo, a que todos amam não só quando precisam dela para fazer alguma coisa, mas também quando não precisam dela para fazer algo.

Sob a égide aristotélica, a visão teria duas preeminências sobre os demais sentidos, uma porque conheceria e julgaria mais perfeitamente as coisas sensíveis, outra porque nos mostraria mais coisas, e mais diferenças nas coisas. Essas preeminências se dariam porque conheceríamos os corpos sensíveis precipuamente pela visão e pelo tato, e mais ainda pela visão.

Ciências.

A superioridade da visão sobre os sentidos tem sido alvo de pesquisa por parte de muitos cientistas, mormente nos últimos 50 anos. Muitas dessas pesquisas têm como premissa a superioridade da visão, outras, contudo, buscam entender os demais sentidos por eles próprios, sem buscar a comprovação de que este ou aquele sentido é superior ao outro.

Com efeito, Heller (1991) diz que é provável que se um sentido se mostra melhor para resolver uma tarefa, outro não competirá com ele para fazê-la. Além do mais, há modalidades específicas aos sentidos (eg. só a visão pode reconhecer a cor de um alimento; o tato, sua temperatura; o paladar, seu sabor).

Embora um sentido contribua com o outro, na ausência de um ou mais sentidos, uma pessoa, ainda assim, pode desempenhar bem dada tarefa, uma vez lhe dada condição para tanto, ou se essa tarefa não exigir o uso específico do sentido ausente. Isso porque a resolução ou bom desempenho do indivíduo está relacionado às condições de que dispõe e não de uma deficiência sensória que o limita naquele particular (Lima, 1998).

Muitas pesquisas também mostram uma melhor adequação do sentido da visão para a resolução de tarefas diversas, e que o sentido da visão pode colaborar para um melhor desempenho em inúmeras outras.

Muitos pesquisadores têm conseguido libertar-se da visão aristotélica e lockeana sobre a superioridade e necessidade da visão e uma quantidade de trabalhos têm surgido, mostrando a potencialidade e a capacidade de os cegos congênitos desempenharem tarefas antes só pensadas às pessoas de visão normal ou aos que tiveram experiência visual, os cegos adventícios.

Não obstante, ainda perdura a crença na incapacidade dos cegos desempenharem certas tarefas, dentre as quais a de reconhecerem figuras planas em relevo, crença essa que, segundo Lima e Da Silva (2000), tem sido "corroborada" equivocadamente por educadores, psicólogos e até mesmo alguns estudiosos que pesquisam e escrevem sobre os cegos em suas teses e artigos em revistas científicas e não científicas.

Assim, sobre a capacidade das pessoas com deficiência visual ou cegas em compreender relações geográficas tais como distância, configuração e hierarquia, atualmente as conclusões dos pesquisadores, segundo Kitchin et alii (1997), podem ser divididas em três posições. O primeiro desses grupos sugere que a visão é o sentido espacial por excelência. Para esse grupo os indivíduos cegos congênitos são incapazes de raciocínio espacial porque jamais experienciaram os processos perceptuais (por exemplo, visão) necessários para compreender arranjos espaciais.

Sob a égide do segundo grupo, as pessoas com deficiência visual podem compreender e manipular mentalmente conceitos espaciais, mas porque a informação é baseada em pistas hápticas e auditivas, esse conhecimento e compreensão são inferiores àqueles baseados na visão.

Já sob a égide do terceiro grupo, os indivíduos com deficiência visual possuem as mesmas habilidades para processar e entender conceitos espaciais e que quaisquer diferenças, sejam em termos quantitativos ou qualitativos, podem ser explicadas por variáveis intervenientes tais como acesso a informação, experiência ou fadiga.

De acordo com Revesz (veja Juurmaa, 1973, p. 104), o sistema háptico fornece uma compreensão mais limitada do espaço que o sistema óptico. Para o autor, a visão permite a percepção imediata de formas mais complexas, ao passo que o sistema háptico tende a apagar os detalhes.

Segundo Von Seden (1960), o tato jamais pode permitir a um indivíduo uma compreensão suficiente do espaço. Um importante componente dessa questão é que a visão e o tato produzem sensações muito diferentes. Nós temos experiência com visão de cores, mas as coisas são sentidas ou percebidas como quentes, frias, afiadas, duras, ou ásperas.

As sensações supostamente diferentes produzidas pelos sentidos podem levar uma pessoa acreditar que os dois sentidos dão-nos informações muito diferentes acerca do mundo. Thomas Reid (apud Morgan, 1977) e Gibson (1962, 1966) tentaram esclarecer esse problema, afirmando que enquanto as sensações diferem, percepções podem ser amodais e podem transcender informações sensoriais. Assim, em 1817, Reid (apud Morgan, p. 113, 1977), sugeriu que o cego é capaz de reconhecer perspectivas, geometria e outros aspectos do espaço.

Ao seu turno, Lederman e Klatzky (1987) afirmam que o baixo reconhecimento de padrões bidimensionais pelo tato, se deve ao fato de os cegos congênitos jamais terem tido experiência visual.

Lima e Da Silva (2000, neste volume), por sua vez, fazem assertiva de que o baixo reconhecimento háptico das figuras bidimensionais, comparativamente com o que poderia ser esperado para um reconhecimento visual, reside no fato de que os desenhos utilizados são transcrições em relevo de desenhos visuais, o que não garante a melhor representação háptica dos padrões a serem reconhecidos, e não porque o sistema háptico seja incapaz de reconhecer desenhos em relevo, nem porque seja necessária uma mediação da visão, para esse reconhecimento.

Mas podem os cegos de fato reconhecer e fazer uso dos mapas e diagramas? Muitos pesquisadores têm mostrado que essa capacidade é indubitável, sugerindo que esses indivíduos podem se beneficiar do treino com esses padrões, aprendendo relações espaciais, adquirindo segurança na mobilidade e tornando-se indivíduos aptos para atividades sociais antes não alcançadas, por conta de uma dificuldade de mobilidade ou de "impossibilidade" de acesso a terrenos "hostis". Muitos autores ainda sugerem e, de fato, enfatizam, a necessidade de se treinar a criança cega o mais cedo possível com mapas, diagramas e desenhos em relevo para que estas venham a desempenhar e se beneficiar do conhecimento que essas configurações lhes podem trazer (Ungar, Blades e Spencer, 1995; 1996a, 1996b; Ungar, Blades, Spencer e Morsley, 1994; Ungar et alii, 1998; Heller et alii, 1996, Lima, Heller e Da Silva, 1998).

Conclusão.

A defesa da capacidade da pessoa cega em reconhecer desenhos, mapas e diagramas táteis não é assim tão fácil, mesmo porque há também aqueles educadores de pessoas com deficiência visual que, por conta de embasamentos teóricos diversos, equivocadamente defendem que não se deva ensinar desenhos ou as regras do desenho visual aos cegos, por conta de uma égide que simploriamente pensa que, ao fazer isso, estar-se-ia impedindo o desenvolvimento "autônomo" da criança. Segundo essa visão, a criança deve aprender a partir de sua elaboração e não ser levada ao aprendizado pelo adulto que a acompanha. Ora, poderia Gustavo Kuerten ser bicampeão de Roland Garros, se não lhe fossem ensinadas as regras do jogo de tênis e se ele não fosse treinado para jogá-lo bem? A resposta "não", óbvia para as pessoas leigas, parece ser de difícil assimilação para aqueles que são contrários ao ensino de regras do desenho e do desenhar aos portadores de deficiência visual, mormente às crianças.

Felizmente, essas pessoas estão na contramão da educação dos cegos, já que pesquisadores e educadores do mundo todo vêm defendendo o uso de mapas e desenhos para o benefício e educação das crianças desde sua mais tenra idade (Ungar, Blades e Spencer, 1993; Edwards, Ungar e Blades, 1998, Arditi et alii, no prelo). O que a crença no potencial das pessoas com deficiência visual e na capacidade que têm em fazer uso de mapas e outras configurações planas, que estão aí para os cegos, assim como para os que têm visão plena ou parcial.

O não reconhecer hapticamente convenções visuais em relevo não basta para referendar a crença ou o ponto de vista filosófico de que o tato ou os cegos congênitos são incapazes de reconhecer padrões bidimensionais tangíveis (por conta de uma falta de experiência visual), antes de que estes padrões sejam ensinados às pessoas com deficiência visual e treinados ao sistema háptico.

É mister que se desenvolvam técnicas, equipamentos apropriados à feitura de desenhos por e para cegos e que estes recebam treinamento para o lazer e a educação artística com figuras dimensionais antes de que se possa fazer qualquer assertiva quanto à incapacidade da pessoa com deficiência visual em reconhecer e produzir seus próprios desenhos, mapas e diagramas (Lima, 2000, Lima e Da Silva, 1998 e 2000, Lima, Heller e Da Silva, 1998).

Quando isso se der, descobrir-se-á que essas pessoas são plenamente capazes de desempenhar, otimamente, mais esta tarefa, o que permitirá pôr por terra crenças e posturas arcaicas, enviesadas e sem respaldo na boa ciência. Afinal, não é a cegueira que incapacita o homem, assim como não é a visão que o capacita para a condição de ser humano.

Referências Bibliográficas.

  • AQUINAS, T. (1995). Aquinas Commentary on Aristoteles Metaphysics. Translation end Introduction by John P. Rowan. Dum On Books, pages 4-5.
  • ARDITI, A., HOLMES, E., REEDIJK, P., ROGER WHITEHOUSE, A.R.I.B.A. (Interactive Tactile Maps, Visual Disability and Accessibility of Building Interiors. In press, Visual Impairment Research.
  • EDWARDS, R., UNGAR, S. and BLADES, M. (1998). Route descriptions by visually impaired and sighted children from memory and from maps. Journal of Visual Impairment and Blindness, 92, 512-521.
  • GIBSON, J.J. (1962). Observations on active touch. Psychological Review, 69, 477-490.
  • GIBSON, J.J. (1966). The Senses Considered as Perceptual Systems. Boston: Houghton Mifflin.
  • HATWELL, Y. (1985). Piagetian reasoning and the blind. New York, American Foundation for the Blind.
  • HELLER, M.A. (1991). Haptic perception in blind people. In The psychology of touch (pp.239-261). M. A. Heller and W. Schiff (eds.), Hillsdale, N.J., Lawrence Erlbaum Associates.
  • HELLER, M.A., CALCATERRA, J.A., TYLER, L.A. and BURSON, L.L. (1996). Production and interpretation of perspective drawings by blind and sighted people. Perception. 25, 321-334.
  • JUURMAA, J. (1973). Transposition in mental spacial manipulation. A theorical analysis. American Foundation for the Blind: Research Bulletin, 26:87-134.
  • KITCHIN, R.M., BLADES, M. and GOLLEDGE, R.G. (1997). Understanding spatial concepts at the geographic scale without the use of vision Progress. In Human Geography. 21(2), 225-242.
  • LEDERMAN, S.J. and KLATZKY, R.L. (1987). Hand movements: A window into haptic object recognition. Cognitive Psychology, 19:342-368.
  • LIMA, F.J. Representação Mental de Estímulos Táteis. Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.
  • LIMA, F.J. (2000). Questão de Postura ou de Taxonomia? Uma Proposta Revista do Instituto Benjamin Constant, no pelo.
  • LIMA, F.J., DA SILVA, J. (2000). Algumas Considerações a Respeito da Necessidade de se Pesquisar o Sistema Tátil e de se Ensinar Desenhos e Mapas Táteis às Crianças Cegas ou com Limitação Parcial da Visão. Revista do Instituto Benjamin Constant, no prelo.
  • LIMA, F.J., DA SILVA, J. (1998). O Desenho em Relevo: uma caneta que faz pontos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 50, ½ : 144-151.
  • LIMA, F.J., HELLER, M. e DA SILVA, J. (1998). Recodificação da Captura Háptica de Objetos Tangíveis para uma Transcrição Pictórica. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 50, ½: 124-143.
  • MELO, H.F.R. (1988). A cegueira trocada em miúdos. Campinas: UNICAMP.
  • MORGAN, M.J. (1977). Molyneu"s question. Vision, touch and the philosophy of perception. Cambridge University Press: New York.
  • PAHLEN, K. (1991). Nova História Universal da Música. São Paulo: Melhoramentos, p. 231.
  • REVESZ, G. (1950). The psychology and art of the blind. London, Longmans Green.
  • SENDEN, M. (1960). Space and sight. (P. Heath, Trans.). Glencoe, II: Free Press originally published 1932.
  • UNGAR, S., BLADES, M. and SPENCER, C. (1993). The role of tactile maps in mobility training. British Journal of Visual Impairment, 11, 59-61.
  • UNGAR, S., BLADES, M. nad SPENCER, C. (1995). Visually impaired childre"s strategies for memorinzing a map. Britihs Journal of Visual Impairment, 13, 27-32.
  • UNGAR, S., BLADES, M. and SPENCER, C. (1996a). The ability of visually impaired children to locate themselves on a tactile map. Journal of Visual Impairment and Blindness, 90, 526-535.
  • UNGAR, S., BLADES, M. and SPENCER, C. (1996b). The construction of cognitive maps by childre with visual impairment. In J. Portugali (ed.), The construction of cognitive maps (pp.247-273). Dordrecht, The Netherlands: Kluver Academic Publishers.
  • UNGAR, S., BLADES, M., SPENCER, C. and MORSLEY, K. (1994). Can visually impaired children use tactile maps to estimate directions? Journal of Visual Impairment and Blindness, 88, 221-233.
  • UNGAR, S., ESPINOSA BAYAL, A., BLADES, M., OCHÁTA, E. and SPENCER, C. (1998). Blind and visually impaired people using tactile maps. Cartographic Perspectives, Issue 28, pp. 4-12.

Referências Textuais.

  1. Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto.
  2. UFMS/Centro Universitário de Três Lagoas.
  3. Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto.
  4. Milton, autor de Paraíso Perdido; Antônio de Castilho, excelso tradutor, diretor da Revista Universal Lisboense, no séc. XIX, autor de Quadros Históricos de Portugal, A Noite do Castelo, entre outros).
  5. Conjunto maranhense de música reggae, composto de quatro cegos, um portador de visão sub-normal e um vidente.

Autores:

  • Francisco José de Lima.
  • José Aparecido da Silva.
  • Rosângela A. Ferreira Lima.