Conteúdo principal | Últimos 20 posts | Posts por assunto | Bengala Legal

Blog do Bengala Legal.

Rio de Janeiro, quinta-feira, 29 de setembro de 2016 - 06:35.

 

Conteúdo principal.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014.

Setores analisam trabalho pela educação inclusiva em Juiz de Fora

Máquina Braille.

Além do braile, discussão reforça diferentes aspectos da educação inclusiva (Foto: Roberta Oliveira/ G1).

O ingresso na escola é um grande momento para as famílias. Além do início do aprendizado, representa o convívio da criança em outro ambiente, com pessoas diferentes do seu cotidiano. No entanto, quando a criança possui algum tipo de deficiência, as famílias buscam – e nem sempre encontram – instituições capacitadas para fazer o ensino e a inclusão deste aluno. Nos ensinos infantil e fundamental, até o 9º ano, a responsabilidade de ensino é da rede municipal. A partir disso, cabe à rede estadual. Em Juiz de Fora, segundo dados da Secretaria de Educação, mil crianças com deficiência estavam cadastradas até 2013 na rede municipal. No Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, celebrado neste domingo (21), o G1 buscou informações do que está sendo feito no município neste sentido para receber o aluno.

A Escola Municipal Cosette de Alencar é uma referência no atendimento na cidade, que ao longo das últimas décadas vem se adaptando diante das demandas trazidas pelos novos alunos e famílias. Mas projetos assim ainda são a minoria. Representantes das secretarias estadual de educação e municipal de Juiz de Fora destacaram que este é um processo a longo prazo, que está em andamento, mas ainda há muito a ser feito em diferentes instâncias. Sindicatos de professores cobram mais estrutura para receber e ensinar a estes alunos. A professora responsável pelo Núcleo de Pesquisa em Acessibilidade, Diversidade e Trabalho, Maria Nivalda de Carvalho Freitas, destacou a importância da melhor formação aos professores para aperfeiçoar o processo de inclusão das crianças nas escolas.

Capacitação e aperfeiçoamento.
A recepção do aluno com deficiência cabe à rede municipal de ensino. Em Juiz de Fora, de acordo com a Secretaria de Educação, mil crianças com deficiência estavam cadastradas até 2013. Os dados de 2014 ainda não foram fechados. Até a última parcial, eram 1.198 estudantes. A estimativa da Prefeitura é de chegar a 1.250. “Temos três frentes de ação. O trabalho específico com a criança com deficiência; o trabalho com a família e a formação de professores; além da orientação e confecção ao suporte ao professor”, destacou a coordenadora de Supervisão de Atenção da Educação na Diversidade, Margareth Moreira.

De acordo com a coordenadora, tudo começa no cadastramento escolar. “A partir do cadastro, a rede municipal pode organizar o atendimento no ano letivo seguinte e tentar encaminhar a criança para a escola mais próxima da casa das famílias. Além disso, planejar o encaminhamento desta criança, verificar se precisa de um professor colaborativo”, explicou. Atualmente, das 101 escolas de Juiz de Fora, 35 possuem a sala multifuncional para o atendimento especializado no contraturno do aluno. “Há uma previsão para instalação em mais 14 escolas em 2015, que já estão recebendo o material do Ministério da Educação e os professores estão em processo de formação”, reforçou Margareth.

Materiais escolares.
Materiais da sala de recursos da E. M. Cosette de Alencar usados nos contraturnos com os alunos (Foto: Roberta Oliveira/ G1).

As crianças que estão em escolas onde não há salas como essas são encaminhadas para os Centros de Atendimento Educacional Especializado, a nomenclatura atual do antigo Núcleo Especializado de Atendimento à Criança Escolar (Neace). São quatro unidades, sendo a Sul, no Bairro Ipiranga; a Leste, no Linhares; a Centro, na Rua Batista de Oliveira, que recebe as crianças das regiões Nordeste, Centro, Zona Rural e de parte da Zona Norte e o Sudeste, no Poço Rico, que recebe outra parte da Zona Rural e da Zona Norte, além das regiões Sudeste e Oeste. “Cada uma atende a 120 crianças, no contraturno escolar, com complemento específico para cada aluno e suporte ao trabalho já realizado em sala de aula”, disse a coordenadora.

Além disso, Juiz de Fora é polo do programa “Educar na Diversidade”, responsável pela formação de profissionais de 95 municípios do entorno, com o Seminário de Educação Inclusiva, aulas de Língua Brasileira de Sinais (Libras) e braille. “Nós temos 350 professores em nossos programas de formação continuada. Nos últimos dois anos, 700 participaram do Seminário”. No entanto, ainda não é suficiente para todo o atendimento. É uma história que a gente tem caminhado e ainda tem muito a conquistar”, ponderou a coordenadora.

Projeto de ampliação na rede estadual.
Na rede estadual de ensino, segundo informações repassadas pela assessoria da Secretaria de Estado de Educação em Belo Horizonte, dados do Censo Escolar de 2013 apontam que o município de Juiz de Fora possui 45 escolas estaduais com 514 alunos. Destas, 44 são instituições regulares com 354 alunos e a Escola Estadual Maria das Dores de Souza, no Centro, exclusivamente de Educação Especial, com 160 alunos com alguma deficiência.

A diretora de Educação Especial da Secretaria do Estado de Educação, Ana Regina de Carvalho explicou como é o atendimento. “A orientação é levantar quais são as necessidades deste aluno, para que seja feito um plano individualizado de desenvolvimento deste aluno e do atendimento especializado na sala de recursos no contraturno”, disse.

Em Juiz de Fora, são 15 salas de recursos instaladas nas escolas estaduais Belmiro Braga, Nossa Senhora Aparecida, Ali Halfeld, Deputado Olavo Costa, Clemente Mariani, Estêvão de Oliveira, Fernando Lobo, Maria das Dores de Souza, Maria Ilydia Resende Andrade, Mariano Procópio, Mercedes Nery Machado, Professor Lopes, Professor Teodoro Coelho, São Vicente de Paulo e no Instituto Estadual de Educação.

“Estamos construindo uma proposta que tenha condições de trabalhar com qualidade com todos os alunos. A gente tem avançado na área de qualificação dos profissionais, no uso dos recursos de tecnologia assistida, além do número de salas de recursos”, disse Ana Regina de Carvalho. A proposta é impedir deslocamentos dos alunos e que ele tenha o atendimento na instituição onde já está matriculado. “Queremos ampliar a cada ano, porque ainda não temos a cobertura em todos os municípios. É um atendimento que está expandindo e a tendência é que a gente chegue ao ponto de cada escola ter a sala de recursos para evitar que o aluno tenha de ir para outra escola”, afirmou a diretora de Educação Especial da Secretaria do Estado de Educação.

Instituto de Educação.
Instituto Estadual de Educação, no Centro, é uma das escolas estaduais com sala de recursos em Juiz de Fora (Foto: Reprodução/ TV Integração).

Qualificação do professor.
A professora do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São João del Rei
(UFSJ), responsável pelo Núcleo de Pesquisa em Acessibilidade, Diversidade e Trabalho (NACE), Maria Nivalda de Carvalho Freitas, reforçou a importância da busca pela inclusão. “É uma situação complexa, mas, do meu ponto de vista, necessária para garantir uma sociedade com menos desigualdade. O pressuposto adotado é de que a sociedade e as organizações sociais, escola, trabalho, lazer, precisam incluir e ser acessível a todos. Esse pressuposto é denominado de Modelo Social da Deficiência e é um paradigma que norteia o trabalho e as pesquisas no mundo, na atualidade”, afirmou.

Durante um ano, ela participou de uma pesquisa sobre a formação de alunos de licenciatura de Educação Física em atividades teóricas e práticas e na forma como se relacionavam com as pessoas com deficiência. “Os problemas existem, mas a despeito deles, é necessário criar condições para garantir o direito de todos. Nossa sociedade e as escolas ainda estão despreparadas”, comentou a professora.

É preciso criar condições para garantir o direito de todos. Nossa sociedade e as escolas ainda estão despreparadas”
Maria Nivalda de Carvalho, responsável pelo Núcleo de Pesquisa em Acessibilidade, diversidade e trabalho da UFSJ
De acordo com a pesquisa, os universitários acompanhados, mesmo com toda a formação teórica, enfrentavam sensação de medo, associado principalmente às dificuldades de não saber como agir, como colocar limites e de duvidar se efetivamente poderiam contribuir. “Ausência de conhecimento que fosse capaz de auxiliá-los a lidar com a nova realidade que se apresentava. As ações requeridas exigiam que conseguissem articular o que conheciam teoricamente com uma realidade que desconheciam”, afirma o texto da pesquisa.

De acordo com o relato da pesquisa, o medo e a insegurança passavam à medida que a situação deixava de ser desconhecida e quando os estudantes buscavam alternativas. “Os universitários adotaram diferentes pautas de conduta. Todos eles, em tempos diferentes, buscaram se aproximar dos alunos com deficiência, observaram a condução das aulas dos colegas, fizeram anotações e discutiram o que acontecia após cada aula ministrada”, afirmou o texto. Algumas abordagens foram reavaliadas conforme os universitários percebiam que não eram as melhores para o grupo em vista da meta de inclusão. Os resultados destacaram a necessidade de que os professores superem a avaliação a partir das próprias experiências, ampliem as referências e desviem o olhar da deficiência para as potencialidades, que deveriam constar na formação dos futuros professores, tornando-se matéria-prima para a promoção de uma educação inclusiva.

A professora Maria Nivalda de Carvalho Freitas reforçou que é necessário continuar o processo e vencer todas as etapas nesta jornada pela inclusão. “As demandas cotidianas trazidas por cada aluno com deficiência que chega à escola produzem concretamente uma necessidade de mudança. Essas situações produzem transformações sociais, reflexões que contribuem para a construção de uma nova forma de organização social”, afirmou.

Cobrança por melhorias.
O G1 procurou os sindicatos dos profissionais de educação estadual e municipal para uma análise deste quadro. Segundo o posicionamento enviado pela subsede Juiz de Fora do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Minas Gerais (Sindi-Ute), a educação inclusiva é um projeto positivo ao abrir espaço e incentivar a convivência entre os diferentes.

No entanto, o Sindi-ute ressalta que o problema está no contexto de precarização do trabalho, no ensino e de estrutura. Salas superlotadas, que dificulta a inclusão e o acompanhamento deste aluno, mesmo que ele tenha um acompanhamento individual, que são poucos casos, segundo o sindicato. O sindicato ressaltou ainda que a deficiência da escola em não ter uma equipe multifuncional compromete a relação e o acompanhamento dos alunos com os outros estudantes e os professores. O Sindi-Ute destacou que a situação está muito aquém do que deveria. Ainda não existem salas de recurso em todas as escolas, o que obriga algumas famílias a se deslocarem, mas nem todas têm condições.

Rampa de acesso.

Escada foi transformada em rampa na E.M. Cosette
de Alencar (Foto: Roberta Oliveira/ G1)

Contestações semelhantes surgiram na conversa com o Sindicato dos Professores Municipais (Sinpro) em Juiz de Fora. A coordenadora geral, Aparecida de Oliveira Pinto, também concordou com a importância pedagógica da inclusão, no entanto, destacou que as limitações comprometem o trabalho.

“O professor é o que vai educar, teria que ter outro profissional para dar este amparo para as necessidades que não sejam educacionais. É a maior dificuldade. Na hora do intervalo, ele que dá a merenda à criança ou mesmo troca fraldas. Não adianta colocar no papel a educação inclusiva, mas se ela ainda não seja na prática, inclusive na acessibilidade. A grande maioria das nossas escolas não é. Houve casos de pais que tiveram que transferir para uma escola mais longe de casa porque a mais próxima não tem acessibilidade”, resumiu.

Aparecida de Oliveira Pinto também lembra a necessidade de formação continuada e adequada para o professor e outros profissionais que atuam na educação. “O ideal é não jogar o aluno na sala de aula diante de um professor. Não adiantam só os cursos de curta duração, porque as demandas continuam aparecendo. Uma preparação abrangente de todas as categorias que atuam na escola porque não apenas o professor de sala é responsável por esta criança”, analisou a coordenadora.

A coordenadora geral do Sinpro cobrou mais ação do poder público. “É quem tem que preparar o prédio fisicamente, preparar o professor, para receber esta criança. Há necessidade de investimento na questão humana, de formar e qualificar tanto professor quanto funcionários na questão de atendimento a este aluno em todas as suas necessidades e suportes. Porque o aluno merece esta educação de qualidade”, afirmou.

Fonte: CBNSite Externo..

Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

Arquivado em: Notícias.
Assuntos:  , , , .
Gil Porta às 1:18.
Post visitado 11634 vezes, 3 foram hoje.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014.

As deficiências na mídia: Quanto mais lágrimas, melhor?

Sérgio é expert em tecnologia em uma multinacional. É casado, pai e cego. Já aconteceu de contar a algumas pessoas que tem uma filha e ouvir coisas do tipo: “Mas, como assim, tem uma filha? Como é que você fez?” Gilson, baixa visão, mora próximo a uma entidade assistencialista para cegos que nunca frequentou, passa em frente a ela quase todos os dias para ir à faculdade e, quando está um pouco à frente, é comum alguém gritar: “Você passou, volta! A entrada é mais atrás!” Ele sempre diz que as pessoas parecem acreditar que cego na rua só pode estar indo a três lugares: ou a alguma instituição assistencialista, ou ao médico ou à igreja. E as inúmeras vezes em que têm de explicar que, sim, usa computador e celular e o tempo todo? “Se digo que vou mandar alguma coisa por email, lá vem a pergunta: mas cego manda email?”, conta, rindo.

Já Andreia toma ônibus cheio todos os dias para ir ao trabalho e, quase todos os dias também, alguém oferece a ela um assento, sendo que muitas das vozes gentis são de pessoas maduras. “Sou jovem e saudável, só não enxergo. Não preciso sentar”, explica. A coisa é pior quando engata uma conversa com alguém, que ao saber que ela está indo trabalhar, comenta: “É bom, né? Distrai um pouquinho…” (a jornalista Lia Crespo, cadeirante, um dos principais nomes da luta pelos direitos das pessoas com deficiência no país, já ouviu a mesma coisa de um taxista e respondeu que seu trabalho não era distração e que para se distrair preferia fazer muitas outras coisas…) E tem o Beto, alto e forte, cego também, que ao visitar um museu e deixar sua mochila no guarda-volumes, ouviu do atendente: “Pode pegar seus remédios, se for precisar, tá?” E um morador de rua que, bêbado, disse um “Deus te ajude” para o sempre elegante Paulo, assim que viu a bengala branca?

As histórias são muitas e, infelizmente, a dependência, a incapacidade, a pobreza e o sofrimento parecem ser as únicas características que a maioria das pessoas associa às deficiências. A mesma ideia, fruto da falta de informação, faz com que jornais e emissoras de rádio e TV apenas perpetuem essa imagem. “Não somos considerados um público consumidor, essa é a razão para tanto desinteresse”, resume o aposentado J.C., cego. Um pouquinho de filosofia ajudaria a compreender como são construídas certas verdades absolutas nos mais diversos campos sociais, há muito tempo arraigadas no imaginário das pessoas e muito, muito difíceis de modificar.

“Hoje já não existem espaços nos jornais para análises, discussões e debates profundos, com textos longos e reflexivos. As matérias são curtas e superficiais; editores muito jovens querem entender um assunto em cinco minutos e o que vale é a quantidade de informações em detrimento da qualidade”, explica uma respeitada jornalista de São Paulo, dona de uma assessoria de imprensa e de um currículo que inclui alguns dos principais veículos de comunicação do país, além de uma longa história de luta por causas sociais. “Temas específicos e complexos, ainda que urgentes, como a questão da falta do livro digital acessível no país ou o descumprimento de outras leis que garantem os direitos de quem tem deficiência, levam tempo só para ser compreendidos e não despertam interesse. O que atrai e vende mesmo são histórias chorosas de superação com a ajuda da caridade ou aquelas que passem a ideia de novidade e vanguarda, ainda que algumas vezes estejam muito longe disso”, conclui.

Um exemplo gritante de como a avidez por “novidade e vanguarda” pode não dar certo foi a divulgação pelo jornal Folha de S.Paulo do recente e desastroso desfile de moda para cegos, realizado na capital paulista, que apresentou inacreditáveis calças com elástico na cintura, bolsos com números em relevo e peças com texturas diferentes na frente e atrás, tudo para “facilitar” a identificação e o vestir! Um festival de bizarrices que provocou imediata e indignada reação de dezenas de pessoas com deficiência visual em todo o país. Se você, leitor, enxerga e não tem nenhuma dificuldade motora, certamente algum dia já se vestiu no escuro sem problemas e sem a menor necessidade de roupas especiais, não?

Enquanto publicam matérias como essa ou divulgam praticamente na íntegra textos que chegam das assessorias dos cachorros grandes da chamada indústria da deficiência, sem jamais questionar suas ações nada inclusivas, a cruel realidade de quem tem algum tipo de deficiência visual – e qualquer outra – no país continua totalmente desconhecida. Os brasileiros não têm acesso nem mesmo a óculos de grau, o que dificulta imensamente suas atividades diárias e compromete seriamente a aprendizagem escolar de milhares de crianças. Óticas brasileiras chegam a ter um lucro de 200% a 300% em cima da venda dos óculos e o Sistema Único de Saúde (SUS) não pode fornecê-los à população simplesmente porque não são considerados materiais médicos, segundo informações apresentadas durante o Simpósio para Prevenção e Diagnóstico da Cegueira, promovido pela USP no início de abril em São Paulo, com a participação de oftalmologistas da universidade e convidados estrangeiros.

Ainda segundo dados do Simpósio, pesquisas apontam que a cegueira tem tanto impacto na qualidade de vida de uma pessoa quanto o câncer e a diabetes; esse impacto é ainda maior do que o causado por um AVC com sequelas importantes; muitos dos pacientes com doenças oculares ficam cegos porque não recebem informação nem orientação adequadas sobre a doença e seu tratamento – como poderiam, em consultas que não duram nem cinco minutos?

Tem mais: somente 50% dos pais brasileiros levam seus filhos a consultas com oftalmologistas; as doenças oculares infantis costumam ter um tratamento longo e penoso para as crianças, geralmente à base de colírios que devem ser administrados algumas vezes por dia, o que fica inviável quando os pais trabalham o dia todo e elas ficam em casa, sozinhas ou com irmãos pequenos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 80% dos casos de cegueira em todo o planeta ocorrem em pessoas com 50 anos de idade ou mais, sendo que mais da metade dos casos são evitáveis e recuperáveis com tecnologia. A detecção e o tratamento das principais doenças oculares que levam à cegueira são rápidos, fáceis e de baixo custo. E o consenso é o de sempre: o que falta no Brasil é vontade política.

Por fim, mais um obstáculo à disseminação de conhecimento e informação da área é o fato de não haver, nos principais veículos de comunicação do país, jornalistas especializados no tema deficiências, a exemplo do que acontece nas áreas de economia ou educação, para as quais não faltam grandes articulistas com análises críticas e politizadas. As pautas sobre as deficiências são encaminhadas a repórteres cadeirantes ou com baixa visão, o que sem dúvida ajuda, mas não é nem de longe o desejável, nem suficiente e muito menos determinante para a produção de bons artigos e matérias.

Para isso, basta o interesse genuíno pelo tema, acompanhado do suporte de consultores éticos, independentes, com sólido conhecimento teórico e experiência no tema em seus mais variados aspectos, além de entrevistados com deficiência, politizados e não institucionalizados, que possam retratar sua própria realidade com liberdade, seriedade e coragem. E aí, a maior surpresa certamente será a rápida constatação do mais poderoso obstáculo à inclusão: as próprias pessoas com deficiência, mais de 45 milhões em todo o país, uma legião de gente historicamente silenciada, manipulada e vitimizada, que dificilmente lutará por direitos que nem sabe que tem, acostumada que está à dependência trazida pela caridade, eternamente grata a ela e que parece ficar satisfeita somente porque, vez ou outra, a quantidade de migalhas aumenta. Pensando bem, motivo é o que não falta para sentar e chorar mesmo.

Fonte: Blog Outros OlharesSite Externo..

Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

Arquivado em: Pessoas com Deficiência.
Assuntos:  , , , .
Gil Porta às 12:39.
Post visitado 6119 vezes, 2 foram hoje.

sexta-feira, 20 de junho de 2014.

Narração no Mané emociona pessoas com deficiência visual

Pessoas com deficiência visual presentes na partida entre Suíça e Equador viveram momentos inesquecíveis, na inauguração do sistema de audiodescrição no estádio.

Estádio Mané Garrincha em Brasília.

A audiodescrição pode ser acessada por meio de frequências de rádio. Quem quiser ouvir, deve levar um aparelho portátil de rádio ou telefone celular com receptor FM, além de fones de ouvido. O serviço está disponível durante os jogos nas frequências:
– 103,3 FM em Belo Horizonte;
– 98,3 FM em Brasília;
– 88,9 FM no Rio de Janeiro e
– 88,7 FM em São Paulo.

Uma Copa do Mundo é feita de vários ingredientes. Dentro de campo, a emoção se faz com dribles, defesas, passes e, principalmente, gols. Fora do gramado, há um espetáculo de cores e sons composto por camisas das seleções, rostos e unhas pintados, cornetas, celulares registrando tudo e um clima de alegria que só quem vai a um estádio em um Mundial consegue entender.

Mas no jogo entre Suíça e Equador, no domingo (15/6), havia um ingrediente especial: um serviço que atende pessoas com deficiência visual, narrando os lances das partidas ao vivo. Apenas Brasília e outras três das 12 cidades-sede foram escolhidas para oferecer inovação durante os jogos do Mundial.

Foi um jogo diferente para três torcedores que não chamavam tanta atenção, pois estavam discretamente vestidos e não usavam acessórios extravagantes. Havia 68.351 que foram ver de perto a partida entre Suíça e Equador. Dentro de campo, o placar registrou 2 a 1 para a seleção europeia. Eles eram presenças mais do que especiais na arena brasiliense: foram os primeiros a experimentar a narração audiodescritiva, inaugurado no jogo de estreia da cidade no Mundial.

O projeto, que conta com 16 voluntários treinados para narrar os lances das partidas em Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte, utiliza uma aparelhagem semelhantes à dos rádios e fones para transmitir aos usuários. Os equipamentos foram adquiridos e doados pela FIFA às capitais, que terão o serviço como legado da Copa.

Emoção sem igual – Sentados atrás do gol do Equador no primeiro tempo, o brasiliense José Aurélio Oliveira, 48 anos, o mineiro Joaquim Fabiano Braga, 62, e o cearense Nilson Cordeiro dos Santos, 45, não escondiam a felicidade. E certamente sentiram uma energia muito positiva quando, aos 11 minutos de jogo, a primeira “ola” da Copa do Mundo em Brasília percorreu as arquibancadas, levando consigo um som contagiante por onde passou.

Com um fone de ouvido a lhe guiar a imaginação, José Aurélio, um santista que perdeu a visão há cinco anos devido a complicações geradas pela diabetes, voltava a um estádio pela primeira vez desde então. “Estou muito feliz por participar de um evento como esse, uma Copa do Mundo no Brasil”, disse o brasiliense, ao fazer uma descrição perfeita do ambiente a sua volta: “Pelo o que eu acompanhei, o estádio está lotado e muito colorido com torcedores da Suíça, do Equador e também com muitos brasileiros, que, tenho a impressão, devem ser mais numerosos do que os dos dois times”.

Com deficiência visual desde que nasceu, Joaquim Braga considera a narração uma oportunidade única para aqueles que, como ele, se sintam parte de um jogo de futebol. “Eu me sinto mais integrado com as pessoas que enxergam. O projeto é muito bem-vindo”, ressaltou. Nilson dos Santos, que perdeu parte da visão após sofrer uma alergia a um medicamento aos cinco anos, também aprovou a iniciativa: “Estou muito feliz por estar aqui”.

Prazer em ajudar – A emoção não tomou conta apenas de quem ouvia a transmissão. Os narradores, que precisam estar atentos não somente aos lances da partida, mas também a itens como linguagem corporal, entorno e o ambiente, compartilharam a alegria durante os 90 minutos de jogo. Os estudantes de jornalismo Pedro Paulo Borges e Ana Freire voltaram para casa com um sentimento de muita felicidade após a experiência no Mané.

“Estava um pouco nervoso no começo, com alguma ansiedade, mas no final tudo acabou dando certo. Ter narrado três gols de uma Copa do Mundo foi algo muito especial para mim. Somos os olhos deles no estádio e nosso desafio é passar tudo o que acontece na partida com mais detalhes possível”, afirmou Pedro Paulo. Selecionados em universidades, os voluntários foram escolhidos conforme requisitos como: perfil em áreas como esporte e deficiência visual, além de olhar apurado para aspectos visuais de uma partida de futebol.

Fonte: Brasília na CopaSite Externo..

Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

Arquivado em: Notícias.
Assuntos:  , , , , .
Gil Porta às 21:22.
Post visitado 6260 vezes, 3 foram hoje.
« Posts mais novosPróximos Posts »

Últimos 20 posts publicados.

Saltar resumo e ir para "ESCOLHA POR ASSUNTO".

Projeto “Emoti Sounds” é plug-in que permite que deficientes visuais tenham uma experiência emotiva na leitura dos emoticons O Festival Internacional de Criatividade de Cannes divulga o seu primeiro shortlist. O projeto “Emoti Sounds”, da Artplan para Tim Live, é o único brasileiro entre os 39 selecionados pelo júri de Innovation Lions e concorre na […]

 

Descrição da imagem: Cena do documentário “Boa Noite, Solidão”: Geneton Moraes Neto entrevista o sertanejo Ginaldo José da Silva. O documentário será transmitido pela GloboNews neste sábado. O documentário “Boa noite, Solidão” será exibido pela GloboNews neste sábado, dia 16, às 21h05 e será o primeiro programa da emissora a contar com o recurso da […]

 

Tecnologia está sendo desenvolvida em Criciúma, no Sul de Santa Catarina. Elisabete Barbosa é uma das primeiras pessoas a fazer uso do Via Voz (Foto: Globo). Imagine um GPS dentro de uma biblioteca. Em vez de ruas, ele mostra os caminhos entre as prateleiras. Parece coisa do futuro, mas essa tecnologia já existe e serve […]

 

Há mais de 20 anos que a fundação beneficente “Livros Ilustrados para Crianças Cegas” publica e oferece livros com páginas musicais a crianças com deficiência visual. Entre as obras estão contos tradicionais russos e estrangeiros. Foto: Fundação de beneficência “Livros Ilustrados para Crianças Cegas Pequenas”. “Os nossos livros ajudam a criar situações em que uma […]

 

O tradutor Libras em Software Livre (VLibras) versão mobile já está disponível para ser baixado e vai ampliar o acesso das pessoas com deficiência auditiva aos meios digitais. O conjunto de aplicativos faz a tradução de conteúdos digitais (texto, áudio e vídeo) para Libras, a Linguagem Brasileira de Sinais. Os softwares desenvolvidos pelo Ministério do […]

 

A área de negócios sociais Soluções em Acessibilidade, da Fundação Dorina Nowill para Cegos, lança com exclusividade o aplicativo AudiFoto. A novidade é mais uma tecnologia direcionada às empresas que desejam participar da inclusão de pessoas com deficiência em museus, exposições e locais em que as imagens são peças fundamentais para a experiência dos visitantes. […]

 

Em São Paulo, no Centro Cultural Banco do Brasil Desde 2003, o Assim Vivemos tem sua programação totalmente acessível para pessoas com deficiência visual e auditiva. Audiodescrição e legendas em português (LSE) em todas as sessões, catálogo em Braille e Interpretação em LIBRAS nos debates. No CCBB, todos os ambientes têm acesso para pessoas com […]

 

“Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência” chega a sua 7ª edição em 2015 no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (de 5 a 17 de agosto), de São Paulo (23 de setembro a 5 de outubro) e de Brasília (de 2 a 14 de março de 2016), trazendo 33 […]

 

Neste sábado, 01 de agosto, estreia mais uma peça da Oficina dos Menestréis. O trabalho deles é maravilhoso e super alto astral. Recomendo. O elenco é inclusivo: Atores e atrizes com e sem deficiência. Com audiodescrição no dia 09 e Libras no dia 16. Sobre a peça: Aldeia dos Ventos é um musical de Oswaldo […]

 

Para grande parte da população a tecnologia facilita. Para pessoas com deficiência visual a tecnologia possibilita. O projeto F123 é um software inovador, de baixo custo e alta eficiência, que possibilita o acesso à educação e à informação, favorecendo oportunidades de trabalho e a utilização de tecnologias por pessoas com deficiência visual. O F123 permite […]

 

A Fundação Dorina Nowill para Cegos tem uma nova versão para o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa em formato digital acessível Daisy – Digital Accessible Information System. O Instituto Helena Florisbal foi o parceiro para a viabilização deste projeto, que conta com a produção e disponibilização de cinco mil dicionários em português com as novas […]

 

Dança no MIS e Unlimited apresentam: MARC BREW, bailarino e coreógrafo da Escócia, na performance REMEMBER WHEN e uma residência (processo criativo aberto ao público) junto à bailarina brasileira Gisele Calazans. As atividades fazem parte do programa mensal: Dança no MIS, com curadoria de Natalia Mallo, que convida coreógrafos a escolher uma área do Museu […]

 

A ANCINE colocou em Consulta Pública, até o dia 08 de julho, Notícia Regulatória e Relatório de Análise de Impacto – AIR que discutem a implementação de ações para regulamentar a promoção da acessibilidade em salas de cinema, com disponibilização de recursos de legendagem descritiva, LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais e audiodescrição que possibilitem […]

 

Está chegando ao fim o curso de Especialização em Audiodescrição promovido pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em parceria com a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD). Em iniciativa inédita, foi possível viabilizar o primeiro curso sobre esta temática a nível de especialização no Brasil, com o principal […]

 

MARIA LUÍSA BARSANELLI. De SÃO PAULO. Em um cantinho ao lado do palco, Rafaella Sessenta, 32, alonga braços e pernas. Posiciona-se frente a uma câmera e aguarda a largada: o início de um show em tributo a Michael Jackson, realizado no domingo (31/5) em São Paulo. Rafaella é tradutora de libras (Língua Brasileira de Sinais) […]

 

O curso de Especialização em Audiodescrição promovido pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), abrirá uma segunda turma ainda este ano. Estão previstas 100 vagas a partir do segundo semestre. O curso tem o objetivo de capacitar profissionais para promover a […]

 

A AFB (American Foundation for the Blind, ou Fundação Americana para Cegos) anunciou nesta semana os nomes dos quatro homenageados que receberão o prestigioso prêmio Helen Keller na noite do dia 18 de junho, em Nova York (Estados Unidos). Estamos homenageando as realizações de indivíduos e empresas pelo sucesso na melhoria da qualidade de vida […]

 

Estão abertas as inscrições para o 7º Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes Sobre Deficiência. Ficha de inscrição e regulamento, acesse: www.assimvivemos.com.br Em 2015, o Festival Assim Vivemos chega à sua 7ª edição. É com enorme alegria que iniciamos mais uma busca pelos melhores filmes produzidos no mundo sobre o tema da pessoa com […]

 

A diretora da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do TRT5 (Setic), Cláudia Jorge, participou da primeira reunião da Comissão Permanente de Acessibilidade do sistema Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) em 2015, na última terça-feira (14/4). A comissão tem como objetivo principal propor medidas para facilitar o acesso de pessoas com […]

 

É hora de deixar de observar apenas a obrigação legal da contratação de pessoas com deficiência física e analisar os ganhos econômicos e sociais da inclusão Silvia Torikachvili. Observando os exemplos mencionados ao longo da reportagem, percebe-se que, quando as empresas decidirem contratar talentos em lugar de deficiências, elas entrarão para o melhor dos mundos. […]

 

 

 

Os posts mais visitados hoje.

  1. O que é Inclusão Escolar? (20 visitas)
  2. Cannes: case de Artplan e Tim é único finalista do Brasil em Innovation (11 visitas)
  3. Deficiente visual tem isenção de ICMS na aquisição de veículo zero quilômetro. (11 visitas)
  4. GLOBONEWS LARGA NA FRENTE E ESTREIA AUDIODESCRIÇÃO (9 visitas)
  5. Aplicativo serve como guia auditivo para pessoas com deficiência visual (9 visitas)
  6. Projeto F123 (9 visitas)
  7. Dicionário acessível para pessoas com deficiência visual (9 visitas)
  8. Todos@Web 2013 premia sites adaptados para pessoas com deficiência (9 visitas)
  9. Luta por direitos mudou vida de irmãs anãs (8 visitas)
  10. Acessibilidade Web em Portugal também deixa a desejar (8 visitas)
Bengala Legal.

eXTReMe Tracker