Conteúdo principal | Últimos 20 posts | Posts por assunto | Bengala Legal

Blog do Bengala Legal.

Rio de Janeiro, quinta-feira, 08 de dezembro de 2016 - 16:18.

 

Conteúdo principal.

sábado, 31 de julho de 2010.

O filme “CHICO XAVIER” chega em DVD e Blu-ray com recurso especial para pessoas com deficiência visual.

Um dos filmes mais esperados do ano chega às lojas e locadoras no fim de julho. E a história de um dos homens mais respeitados e admirados do país, que sempre prezou pela acessibilidade, caridade e amor ao próximo, traz um grande diferencial: a audiodescrição.

Depois de ser visto por cerca de 3,5 milhões de pessoas nas telonas, chegou a hora de levar esse fenômeno do cinema nacional para a casa. Dirigido pelo exigente e competente Daniel Filho, o filme “Chico Xavier” é baseado no livro As Vidas de Chico Xavier, do jornalista Marcel Souto Maior, e conta a trajetória do médium que viveu 92 anos desenvolvendo importante atividade mediúnica e filantrópica.

Com uma vida conturbada, cheia de lutas e muito amor, Chico Xavier escreveu mais de 400 livros psicografados, consolou milhares de pessoas, pregou a paz e estimulou a caridade. Ele faleceu após o Brasil se consagrar Pentacampeão mundial, e agora, no ano em que completaria seu centenário, sua história pode ser conhecida por todos. Todos mesmo!

Isso porque tanto o DVD quanto o Blu-ray do filme chegam com recursos que fazem deles produtos acessíveis inclusive para pessoas com deficiências auditivas – já que contam com legendas também em Português – e, o mais incrível, também para quem apresenta deficiência visual. Nesse último caso, o recurso utilizado é a audiodescrição, ainda pouquíssimo explorado no Brasil.

A audiodescrição é o detalhamento em áudio de informações veiculadas visualmente, mas que não estão contidas nos diálogos de um filme, comportando-se como um o áudio extra, integrado ao som original, que contém descrições, por exemplo, de cenários, expressões faciais e corporais dos personagens, conteúdo de texto, figurinos, indicação de tempo e espaço, movimentações em geral e outros elementos relevantes para a captação e compreensão da obra por pessoas impossibilitadas de usufruir total ou parcialmente dos recursos visuais. Inserida nos intervalos dos diálogos e ruídos importantes, a audiodescrição não atrapalha o andamento do filme. Por conta disso, o recurso também não pode ser entendido como uma espécie de livro-falado, ou como as antigas novelas de rádio, pois precisa se harmonizar com o filme, motivo pelo qual o/a audiodescritor (a) deve ser um profissional sensível à linguagem cinematográfica e com capacidade de síntese. Além disso, a busca da fidelidade ao filme deve ser perseguida pelo audiodescritor(a), evitando antecipar, julgar ou interpretar o filme.

Disponível nas lojas e locadoras a partir de 28 de julho, uma semana antes do Dia dos Pais, os produtos são ótimas opções de presente para a data. Os valores sugeridos dos produtos são: DVD a R$ 29,90 e Blu-ray a R$ 89,90.

Gênero: Drama.
Direção: Daniel Filho.
Elenco: Nelson Xavier, Christiane Torloni, Tony Ramos.
Duração: 125 minutos.
Ano de produção: 2009.
Classificação Indicativa: Livre.

Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009.

Mais um lance da luta pela audiodescrição no supremo Tribunal Federal.

Leia também a nota do blog no final do post.

Excelentíssimo Senhor Doutor Ministro Marco Aurélio Melo do Supremo Tribunal Federal
DD. Relator da ADPF nº 160

Arguentes: Conselho Nacional dos Centros de Vida Independente – CVI Brasil e Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down – FBASD
Arguido: União.

Conselho Nacional dos Centros de Vida Independente – CVI Brasil e Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down – FBASD, devidamente qualificados nos autos do processo em epígrafe, vêm respeitosamente, por seu advogado, à presença de Vossa Excelência, apresentar Emenda à Inicial e Reiterar o Pedido de Apreciação da Liminar ou, caso Vossa Excelência entenda pela impossibilidade, requerem, então, seja esta petição recebida como Memorial.

De início, cabe ressaltar que o desrespeito aos direitos humanos das pessoas com deficiência continua ocorrendo no Brasil, por ausência da implementação da audiodescrição.

Isso porque, não bastasse a Lei nº 10.098/2000, em seus artigos 17 a 19[1], ter materializado o direito à remoção de barreiras de comunicação para as pessoas com deficiência sensorial (visual e/ou auditiva), o Ministério das Comunicações novamente suspendeu, inconstitucionalmente, a exigibilidade da implementação do referido recurso e determinou a realização de outra consulta pública sobre o tema.

Importante salientar, contudo, que a Convenção sobre os Direitos da Pessoa com deficiência e seu Protocolo Facultativo, por determinação do artigo 5º, §1º e §3º da Constituição Federal, foram ratificados com equivalência de emenda constitucional e, por essa razão, devem ser imediatamente exigíveis.

No entanto, o que se observa é que o Ministério das Comunicações vem, lamentavelmente, se utilizando da realização de sucessivas consultas públicas como forma de adiar indefinidamente a obrigação de garantir e assegurar a equidade para as pessoas com deficiência visual, senão vejamos.

Prazos para a Implementação a Audiodescrição no Brasil Ilegalmente Postergados pelo Ministério das Comunicações.

Conforme já afirmado, a Lei nº 10.098/2000, em seus artigos 17 a 19, materializou o direito à remoção de barreiras de comunicação para as pessoas com deficiência sensorial (visual e/ou auditiva).

Por força do Decreto nº 5.296[2], regulamentador da Lei ora mencionada, o poder público assumiu então o compromisso de implementar a audiodescrição como um dos recursos do plano de medidas técnicas para a remoção das referidas barreiras de comunicação, consistente na descrição e narração, em voz, de cenas e imagens na programação veiculada pelas emissoras de radiodifusão e suas retransmissoras.

Em 1º de novembro de 2005, por meio da Portaria nº 476, foi instituída a primeira consulta pública sobre a audiodescrição. Após essa consulta pública foi realizada uma audiência pública, para discutir o tema.

Ressalta-se que o Decreto nº 5.645, de dezembro de 2005[3], fixou o prazo impostergável de 120 dias para que o Ministério das Comunicações regulamentasse a matéria, por via de norma interna.

Contudo, o Decreto nº 5762, de 27 de abril de 2006[4], prorrogou por mais sessenta dias o prazo para expedição da norma complementar, a qual veio a lume por meio da Portaria nº 310, de 27 de junho de 2006, publicada no Diário Oficial da União do dia 28 subsequente.

Em 27 de junho de 2006 foi publicada a Portaria nº 310, que instituiu a Norma Complementar nº 01/2006[5] que, após detida análise da realidade, escalonou a exigibilidade da audiodescrição pelo prazo de 10 anos, com carência inicial de dois anos.

Em 27 de junho de 2008 foi publicada a Portaria nº 403, de 27.6.2008[6], suspendendo a exigibilidade da Portaria 310/2006 por 30 dias.

Em 30 de julho de 2008, a Portaria nº 466[7] trouxe o retorno da exigibilidade da audiodescrição e do integral cumprimento da Portaria 310/2006, em 90 dias.

Em 14 de outubro de 2008, foi editada a Portaria nº 661[8], que suspendeu a exigibilidade da Portaria nº 310 e convocou outra consulta pública sobre o tema, com término em 30 de janeiro de 2009.

Entretanto, em 15 de maio de 2009, o Ministro das Comunicações publicou no Diário Oficial da União abertura de nova Consulta Pública, sem indicação de número ou qualquer portaria, com prazo de 45 (quarenta e cinco) dias, para receber manifestações públicas acerca das contribuições apresentadas à Consulta Pública de que trata a Portaria nº 661.

Desta vez, o Ministério das Comunicações disponibilizou documentos sem acessibilidade para que as pessoas com deficiência visual pudessem opinar sobre o assunto.

Em 27 de agosto de 2009, por ordem judicial do STJ, no mandado de segurança nº 14449/DF, impetrado pelos aqui Requerentes, a consulta pública aberta em 15 de maio de 2009 foi prorrogada, por 45 dias, para garantir a acessibilidade aos documentos disponibilizados. Prazo final: 28 de outubro de 2009.

Ocorre que, em 26 de novembro de 2009, foi editada a Portaria nº 985 que convoca outra consulta pública sobre a audiodescrição, com prazo até 12 de fevereiro de 2010, mas com previsão de implementação da audiodescrição apenas em 1º de julho de 2011 e com somente 24 horas semanais depois do transcurso de 10 anos – e não na totalidade da programação como previsto na Norma Complementar nº 01 instituída pela Portaria 310/2006.

Isso sem mencionar o fato de que, ao acessar o mecanismo da nova consulta pública no sítio eletrônico do Ministério das Comunicações, constata-se que a consulta pública que está disponível sobre o tema da audiodescrição ainda é a que foi instituída pela Portaria 661/2008.

Conforme já referido, esta consulta pública encerrou-se em janeiro de 2009, tendo sido reaberta posteriormente por Resolução do Ministro das Comunicações, e depois por força de determinação judicial cujo prazo encerrou em 28 de outubro de 2009.

Diante disso, evidente o descompromisso do Ministério das Comunicações com a imediata implementação da audiodescrição no Brasil, na medida em que ainda não disponibilizou a nova consulta pública instituída pela Portaria 985.

Com isso, é de se verificar que a audiodescrição continua suspensa e correndo o sério risco de não ser imediatamente exigida como prevê a Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência, ratificada com equivalência de emenda constitucional por ser um tratado de direitos humanos e que, por isso, possui aplicabilidade imediata.

Da Emenda à Inicial.

Em razão dos fatos novos anteriormente relatados e das sucessivas Portarias editadas pelo Ministério das Comunicações protelando a exigibilidade da audiodescrição no Brasil, faz-se necessário incluir no presente processo o pedido para a suspensão liminar e definitiva da Portaria 661/2008 e da Portaria 985/2009 de modo a assegurar que não haja descumprimento de preceitos fundamentais e de direitos humanos.

No âmbito da Constituição Federal os comandos constitucionais interagem e se complementam entre si e a acessibilidade, como princípio norteador da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, também deve ser tratada como novo princípio da Constituição Federal.

O modelo social da deficiência com base nos direitos humanos, ao ser reconhecido como o mais novo paradigma para conceituar as pessoas com deficiência na Convenção anteriormente citada, embasou também a consolidação da acessibilidade positivada como um princípio e um direito humano no plano constitucional brasileiro.

O princípio da acessibilidade determina que as concepções de todos os espaços, formatos de produtos e serviços devam permitir que os cidadãos com deficiência possam ser seus usuários legítimos e dignos, servindo de fundamento para implementação dos direitos humanos no Brasil.

A acessibilidade é a garantia e uma forma de direito a ter direitos e nenhum serviço pode ser concedido, permitido, autorizado ou delegado sem acessibilidade plena para não obstaculizar o pleno gozo e exercício destes das pessoas com deficiência, sob pena de caracterizar a proibida discriminação com base na deficiência.

Ou seja, a acessibilidade constitui direito dos cidadãos em geral, pois não se limita a propiciar o exercício dos direitos humanos e a inclusão em todos os programas apenas das pessoas com deficiência, mas também de pessoas com mobilidade reduzida, idosos, gestantes e outras pessoas em situação vulnerável, respeitando à plena participação destas mesmas pessoas como parte da população brasileira que ao longo da história brasileira também constroem nosso país.

A obrigação de prover todos os instrumentos e adaptações necessárias para a efetividade do princípio e do direito à acessibilidade, com equiparação de oportunidades, demonstra-se pelo imperativo constitucional de atender ao princípio da igualdade, da cidadania, da dignidade humana entre outros.

Vale ressaltar que, para que as pessoas com deficiência possam ter acesso, como qualquer pessoa da população brasileira, a bens, serviços e produtos sem que a deficiência seja um empecilho para a equiparação de oportunidades, os recursos tecnológicos precisam ser disponibilizados a todos, incluindo a audiodescrição, a legenda e a janela de intérprete de língua de sinais.

Da Urgência da Concessão de Liminar.

Neste momento, ratificamos a petição inicial e ainda ressaltamos que este c. Supremo Tribunal Federal, guardião oficial da Constituição promulgada em 1988, não pode permitir que o Poder Executivo viole cotidianamente o direito democrático de acesso à informação das pessoas com deficiência.

Também ressaltamos que a ausência destes recursos configura uma inaceitável censura e um modelo ideológico que pretende manter as pessoas com deficiência alienadas da sua cidadania e alheias ao que acontece no mundo das telecomunicações, o que gera outra consequência vedada pela Constituição Federal através da Convenção sobre os direitos da pessoa com deficiência: uma inaceitável tutela e dependência impostas às pessoas com deficiência.

Pedido.

Por todo o exposto, requerem seja conhecida a presente ação para o fim de:

a) Conceder imediatamente LIMINAR, ad referendum do plenário deste STF, para SUSPENDER a PORTARIA 661/2008 e a PORTARIA 985/2009 ambas do Ministério das Comunicações para que a igualdade e a equiparação de oportunidades seja restabelecida, determinando-se erga omnes e com efeito ex tunc a expedição de ofício ao representante da União Federal e, principalmente ao Ministério das Comunicações, para que exija imediatamente a audiodescrição em todos os contratos de concessão, permissão e delegação no sistema de telecomunicações e na programação da televisão brasileira, além de que seja proibida a publicação de outros atos administrativos que possam restringir os direitos das pessoas com deficiência a este tipo de serviço;

b) Seja julgado procedente o presente pedido para que essa Egrégia Corte, procedendo à interpretação conforme a Constituição, confirme a liminar, caso tenha sido concedida, para SUSPENDER DEFINITIVAMENTE a PORTARIA 661/2008 e a PORTARIA 985/2009, ambas do Ministério das Comunicações, para que a igualdade e a equiparação de oportunidades seja restabelecida, determinando-se erga omnes e com efeito ex tunc a expedição de ofício ao representante da União Federal e, principalmente ao Ministério das Comunicações, para que exija imediatamente a audiodescrição em todos os contratos de concessão, permissão e delegação no sistema de telecomunicações e na programação da televisão brasileira, além de que seja proibida a publicação de outros atos administrativos que possam restringir os direitos das pessoas com deficiência a este tipo de serviço.

c) Outrossim, requer a juntada do instrumento de substabelecimento anexo e que todas as publicações, doravante, continuem sendo realizadas também em nome do advogado Joelson Dias, inscrito na OAB-DF sob o nº. 10.441.

Nesses Termos,
P.E. deferimento.

Brasília, 16 de dezembro de 2009.
Andreive Ribeiro de Sousa
OAB-DF 31.072


Nota do Blog da Audiodescrição:
No próximo dia 29 de dezembro, a ADPF 160 completará seu primeiro aniversário. Somente neste período, o Ministério das Comunicações já abriu três consultas públicas sobre o tema, quatro se contarmos que uma delas teve de ser reaberta por força judicial para permitir a participação das pessoas com deficiência.

Ministro Hélio Costa: haja paciência para tanto desrespeito ao nosso direito!

Nota do Blog Bengala Legal:
O Ministério das Comunicações, através do Ministro Hélio Costa, ex-funcionário da Globo, encontrou uma nova forma ditatorial e legal de se postergar Direitos Humanos adquiridos nacional e internacionalmente por pessoas com deficiência: portarias ministeriais. É revoltante que em plena democracia direitos humanos sejam negligenciados.

Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

domingo, 22 de novembro de 2009.

Série Vida em Movimento Será Reapresentada pela TV Cultura.

Com o objetivo de comemorar o Dia Internacional de Luta das Pessoas com Deficiência, comemorado dia 3 de dezembro, a TV Cultura reprisa 6 programas da série “Vida em Movimento”, dada sua excelente repercussão.

Reapresentação – de 30 de novembro a 5 de dezembro de 2009, às 8h00.

A programação da TV Cultura é retransmitida por muitas emissoras, em todo o País, às vezes em horários diferentes. Fique atento.

Os programas mostram atividades físicas, educação, trabalho, esportes adaptados, recreação, acessibilidade e tecnologias assistivas, sempre do ponto de vista da inclusão. Os professores encontrarão recursos pedagógicos e alternativas práticas para a inclusão da criança e do jovem com deficiência na escola e em outros ambientes da sociedade. Muitos vídeos mostram a prática de esportes, atividades físicas, jogos e brincadeiras por crianças e jovens com vários tipos de deficiência. O objetivo é capacitar educadores de todas as áreas e em especial os professores de Educação Física, para que recebam esses alunos em suas aulas, com tranquilidade e segurança, possibilitando o exercício da inclusão e não da “dispensa da aula”.

Os programas são apresentados por Dudu Braga, filho do cantor Roberto Carlos e que tem deficiência visual. O “âncora” dos vídeos é Willian Coelho, o Billy, um jovem cadeirante muito comunicativo.

Os programas “Vida em Movimento” são adaptados de série de vídeos com o mesmo nome, produzidos pelo Departamento Nacional do SESI (Serviço Social da Indústria) e CNI (Confederação Nacional da Indústria) e realizados em parceria com o Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas, responsável pela concepção e coordenação de conteúdo.
Alguns Vídeos da Série Vida em Movimento

Cada programa, que ocupará 30 minutos na grade da TV Cultura, contará com janela de Libras (língua brasileira de sinais) e com um recurso ainda pouco conhecido no país, a audiodescrição – em que um locutor narra detalhes das cenas que não têm narração ou diálogos.

Os programas interessam a todos os telespectadores, e não apenas aqueles com deficiências. Segundo Gabriel Prioli, Coordenador de Conteúdo e Qualidade da Fundação Padre Anchieta, “Todos devem ser informados de que a atividade física é possível e recomendável para pessoas com deficiência, sempre de forma inclusiva, seja nas aulas de Educação Física, seja nos esportes adaptados. O processo de inclusão veio para ficar. É exatamente isso que queremos mostrar aos nossos telespectadores“, disse.

Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

« Posts mais novosPróximos Posts »

Últimos 20 posts publicados.

Saltar resumo e ir para "ESCOLHA POR ASSUNTO".

Projeto “Emoti Sounds” é plug-in que permite que deficientes visuais tenham uma experiência emotiva na leitura dos emoticons O Festival Internacional de Criatividade de Cannes divulga o seu primeiro shortlist. O projeto “Emoti Sounds”, da Artplan para Tim Live, é o único brasileiro entre os 39 selecionados pelo júri de Innovation Lions e concorre na […]

 

Descrição da imagem: Cena do documentário “Boa Noite, Solidão”: Geneton Moraes Neto entrevista o sertanejo Ginaldo José da Silva. O documentário será transmitido pela GloboNews neste sábado. O documentário “Boa noite, Solidão” será exibido pela GloboNews neste sábado, dia 16, às 21h05 e será o primeiro programa da emissora a contar com o recurso da […]

 

Tecnologia está sendo desenvolvida em Criciúma, no Sul de Santa Catarina. Elisabete Barbosa é uma das primeiras pessoas a fazer uso do Via Voz (Foto: Globo). Imagine um GPS dentro de uma biblioteca. Em vez de ruas, ele mostra os caminhos entre as prateleiras. Parece coisa do futuro, mas essa tecnologia já existe e serve […]

 

Há mais de 20 anos que a fundação beneficente “Livros Ilustrados para Crianças Cegas” publica e oferece livros com páginas musicais a crianças com deficiência visual. Entre as obras estão contos tradicionais russos e estrangeiros. Foto: Fundação de beneficência “Livros Ilustrados para Crianças Cegas Pequenas”. “Os nossos livros ajudam a criar situações em que uma […]

 

O tradutor Libras em Software Livre (VLibras) versão mobile já está disponível para ser baixado e vai ampliar o acesso das pessoas com deficiência auditiva aos meios digitais. O conjunto de aplicativos faz a tradução de conteúdos digitais (texto, áudio e vídeo) para Libras, a Linguagem Brasileira de Sinais. Os softwares desenvolvidos pelo Ministério do […]

 

A área de negócios sociais Soluções em Acessibilidade, da Fundação Dorina Nowill para Cegos, lança com exclusividade o aplicativo AudiFoto. A novidade é mais uma tecnologia direcionada às empresas que desejam participar da inclusão de pessoas com deficiência em museus, exposições e locais em que as imagens são peças fundamentais para a experiência dos visitantes. […]

 

Em São Paulo, no Centro Cultural Banco do Brasil Desde 2003, o Assim Vivemos tem sua programação totalmente acessível para pessoas com deficiência visual e auditiva. Audiodescrição e legendas em português (LSE) em todas as sessões, catálogo em Braille e Interpretação em LIBRAS nos debates. No CCBB, todos os ambientes têm acesso para pessoas com […]

 

“Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência” chega a sua 7ª edição em 2015 no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (de 5 a 17 de agosto), de São Paulo (23 de setembro a 5 de outubro) e de Brasília (de 2 a 14 de março de 2016), trazendo 33 […]

 

Neste sábado, 01 de agosto, estreia mais uma peça da Oficina dos Menestréis. O trabalho deles é maravilhoso e super alto astral. Recomendo. O elenco é inclusivo: Atores e atrizes com e sem deficiência. Com audiodescrição no dia 09 e Libras no dia 16. Sobre a peça: Aldeia dos Ventos é um musical de Oswaldo […]

 

Para grande parte da população a tecnologia facilita. Para pessoas com deficiência visual a tecnologia possibilita. O projeto F123 é um software inovador, de baixo custo e alta eficiência, que possibilita o acesso à educação e à informação, favorecendo oportunidades de trabalho e a utilização de tecnologias por pessoas com deficiência visual. O F123 permite […]

 

A Fundação Dorina Nowill para Cegos tem uma nova versão para o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa em formato digital acessível Daisy – Digital Accessible Information System. O Instituto Helena Florisbal foi o parceiro para a viabilização deste projeto, que conta com a produção e disponibilização de cinco mil dicionários em português com as novas […]

 

Dança no MIS e Unlimited apresentam: MARC BREW, bailarino e coreógrafo da Escócia, na performance REMEMBER WHEN e uma residência (processo criativo aberto ao público) junto à bailarina brasileira Gisele Calazans. As atividades fazem parte do programa mensal: Dança no MIS, com curadoria de Natalia Mallo, que convida coreógrafos a escolher uma área do Museu […]

 

A ANCINE colocou em Consulta Pública, até o dia 08 de julho, Notícia Regulatória e Relatório de Análise de Impacto – AIR que discutem a implementação de ações para regulamentar a promoção da acessibilidade em salas de cinema, com disponibilização de recursos de legendagem descritiva, LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais e audiodescrição que possibilitem […]

 

Está chegando ao fim o curso de Especialização em Audiodescrição promovido pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em parceria com a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD). Em iniciativa inédita, foi possível viabilizar o primeiro curso sobre esta temática a nível de especialização no Brasil, com o principal […]

 

MARIA LUÍSA BARSANELLI. De SÃO PAULO. Em um cantinho ao lado do palco, Rafaella Sessenta, 32, alonga braços e pernas. Posiciona-se frente a uma câmera e aguarda a largada: o início de um show em tributo a Michael Jackson, realizado no domingo (31/5) em São Paulo. Rafaella é tradutora de libras (Língua Brasileira de Sinais) […]

 

O curso de Especialização em Audiodescrição promovido pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), abrirá uma segunda turma ainda este ano. Estão previstas 100 vagas a partir do segundo semestre. O curso tem o objetivo de capacitar profissionais para promover a […]

 

A AFB (American Foundation for the Blind, ou Fundação Americana para Cegos) anunciou nesta semana os nomes dos quatro homenageados que receberão o prestigioso prêmio Helen Keller na noite do dia 18 de junho, em Nova York (Estados Unidos). Estamos homenageando as realizações de indivíduos e empresas pelo sucesso na melhoria da qualidade de vida […]

 

Estão abertas as inscrições para o 7º Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes Sobre Deficiência. Ficha de inscrição e regulamento, acesse: www.assimvivemos.com.br Em 2015, o Festival Assim Vivemos chega à sua 7ª edição. É com enorme alegria que iniciamos mais uma busca pelos melhores filmes produzidos no mundo sobre o tema da pessoa com […]

 

A diretora da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do TRT5 (Setic), Cláudia Jorge, participou da primeira reunião da Comissão Permanente de Acessibilidade do sistema Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) em 2015, na última terça-feira (14/4). A comissão tem como objetivo principal propor medidas para facilitar o acesso de pessoas com […]

 

É hora de deixar de observar apenas a obrigação legal da contratação de pessoas com deficiência física e analisar os ganhos econômicos e sociais da inclusão Silvia Torikachvili. Observando os exemplos mencionados ao longo da reportagem, percebe-se que, quando as empresas decidirem contratar talentos em lugar de deficiências, elas entrarão para o melhor dos mundos. […]

 

 

 

Os posts mais visitados hoje.

  1. O que é Inclusão Escolar? (111 visitas)
  2. Dúvidas sobre a aposentadoria especial para pessoa com deficiência (44 visitas)
  3. Luta por direitos mudou vida de irmãs anãs (22 visitas)
  4. Marta Gil (20 visitas)
  5. Isenção de pedágio da Linha Amarela para idosos e pessoas com deficiência. (20 visitas)
  6. TST, CNJ e CSJT firmam compromisso para ampliar a acessibilidade ao PJe-JT (20 visitas)
  7. AUDIFOTO – Novidade tecnológica para incluir pessoas com deficiência (19 visitas)
  8. GT W3C Acessibilidade (19 visitas)
  9. Mineiros com deficiência reclamam por mais audiodescrição (19 visitas)
  10. Semana de Ação Mundial 2014. (18 visitas)
Bengala Legal.

eXTReMe Tracker