Conteúdo principal | Últimos 20 posts | Posts por assunto | Bengala Legal

Blog do Bengala Legal.

Rio de Janeiro, domingo, 05 de julho de 2015 - 21:13.

 

Conteúdo principal.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012.

Prefeitura de São Paulo ANUNCIA serviço de Equoterapia.

Método terapêutico que utiliza o movimento do cavalo para reabilitar pessoas com comprometimento físico, psíquico e intelectual passa a ser incluído nos serviços oferecidos pela prefeitura da cidade de São Paulo.

Será inaugurado, dia 3 de fevereiro, hoje, sexta-feira, às 10 horas, o serviço de Equoterapia, oferecido gratuitamente pela Prefeitura de São Paulo. Voltado ao atendimento de pessoas com deficiência, este novo serviço é resultado da parceria entre as Secretarias Municipais da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida (SMPED) e da Saúde (SMS), para estabelecer convênios com instituições que adotam esse método terapêutico.

O primeiro convênio foi firmado com o Centro Social Nossa Senhora da Penha (CENHA), localizado no Tatuapé – onde será realizada a cerimônia de inauguração do serviço, que contará com a presença dos Secretários Marcos Belizário (SMPED) e Januário Montone (SMS) – e gradualmente, o serviço será ampliado para outros pontos da cidade.

Indicações.

Considerada uma das formas mais eficazes para reabilitação de pacientes com problemas motores – distrofias, esclerose múltipla, seqüelas de paralisia cerebral, AVC, entre outros – a equoterapia também traz bons resultados no aumento da autoestima, autoconfiança, qualidade de vida e sociabilização das pessoas com deficiência e mobilidade reduzida.

Até agora, todo paciente que necessitava desse recurso terapêutico tinha de recorrer obrigatoriamente a serviços privados. Estima-se que 4 mil pessoas aguardem hoje uma chance de iniciar esse tipo de tratamento.

Cerimônia de Inauguração dos Serviços de Equoterapia

Dia: 3 de fevereiro de 2012 (sexta-feira)
Horário: 10 horas
Local: Centro Social Nossa Senhora da Penha
Rua Francisco Bueno, 384, Tatuapé, São Paulo-SP.
Tel.: 3913-4070 / 4071 / 4073
Cel.: 5413-6293 / 7243-2388
smcardona@prefeitura.sp.gov.br.
sogodoy@prefeitura.sp.gov.br
claudiajesus@prefeitura.sp.gov.br

Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

Arquivado em: Eventos.
Assuntos:  , , , , .
MAQ às 11:05.
Post visitado 19203 vezes, 4 foram hoje.

domingo, 5 de setembro de 2010.

Cavalos ajudam no tratamento de pessoas com deficiência.

Secretaria de Comunicação do Governo do Pará.
Edna Nunes – Secom – 30/08/2010.

Desde 1993, a Polícia Militar do Pará mantém o Programa Equoterapia, dedicado à reabilitação e inclusão social de pessoas com deficiência. O programa desenvolve um método de desenvolvimento das funções psicomotoras, que tem como principal instrumento terapêutico o cavalo.

Especialistas afirmam que o cavalo é tridimensional e, ao montá-lo, a pessoa recebe todas as influências dos seus movimentos. Como resultado, terá uma gama de estímulos, semelhante a que uma pessoa realiza ao andar, o que leva à reeducação neuromuscular do praticante, estimulando a aprendizagem ou reaprendizagem da marcha.

“A reabilitação é global para uma pessoa que é tratada pelo método da equoterapia. Esse tratamento desenvolve os aspectos motores, sensoriais e cognitivos. Diante disso, estimula-se no paciente todos os seus potenciais, para aproximá-lo dos aspectos normais”, explica a terapeuta ocupacional e membro da equipe do programa Equoterapia da PM, Tatiana do Carmo. Desde abril de 1997 o método é reconhecido pelo Conselho Federal de Medicina e Sociedade Brasileira de Reabilitação Física.

Origem – O programa Equoterapia iniciou na PM em 1993 pelo médico veterinário coronel Edson Brito Ladislau, o primeiro oficial do órgão de segurança a fazer o curso de equoterapia na Associação Nacional de Equoterapia.

O atual responsável pelo programa na PM, o médico veterinário tenente-coronel Cláudio Polaro, informa que, cerca de quatro anos depois, o coronel Ladislau decidiu levar o serviço para o Parque de Exposição do Entroncamento, sob a responsabilidade da Associação Paraense de Equoterapia, entidade fundada pelo oficial. “Mesmo com o projeto coordenado por uma entidade civil, a PM não deixou de executá-lo nas dependências do órgão”, informa o tenente-coronel Polaro.

A equipe técnica do programa é formada por vários profissionais, como fisioterapeuta, fonoaudiólogo, pedagoga, psicólogo, instrutor de equitação, guias e médico veterinário. Para que a pessoa seja inserida no Equoterapia, é preciso que ela passe por uma equipe médica e seja encaminhada sob o aval de um neurologista.

O tratamento é complementar ao que o paciente recebe nas unidades de saúde e, se não tiver nenhuma contra indicação, a pessoa é aceita no programa. A maior demanda para o tratamento é de pessoas vítimas de paralisia cerebral, mas pacientes com síndrome de Down e Autismo também estão na lista.

Paciente – Da lista de pacientes do Equoterapia faz parte Bruno Lins, de 25 anos, que, horas depois de nascer, foi dado pelos médicos como incapaz de sobreviver por causa de uma icterícia, que provocou paralisia cerebral, prejudicando a sua coordenação motora. A descrença dos profissionais de saúde que o atenderam à época foi tanta, ao ponto de levá-los a redigir um atestado de óbito, sob a alegação de que a criança, caso reagisse, ficaria impossibilitada de ouvir, falar e andar.

Hoje, para a mãe do rapaz, Socorro Alencar, essa história faz parte do passado, apesar dos obstáculos sociais, sobretudo, por viver com limitações. Bruno conseguiu seguir adiante e graduar-se no curso de recursos humanos e ingressar no curso de educação física, da Escola Superior Madre Celeste (Esmac). Além disso, ele faz parte da equipe de atletismo paraolímpico e do hipismo do programa de Equoterapia.

Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

Arquivado em: Notícias.
Assuntos:  , , , , .
MAQ às 11:08.
Post visitado 19776 vezes, 2 foram hoje.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009.

Atleta com síndrome de Down Conquista o 10º Posto na Regional Metropolitana de Equitação Fundamental.

Reportagem: Redaçao Sentidos.

Claudio Aleoni Arruda, atleta com síndrome de Down, conquista o 10º posto na Regional Metropolitana de Equitação Fundamental. Apaixonado por cavalos, aprendeu
a cavalgar com o pai aos 5 anos de idade. De lá para cá nunca mais parou. Ainda criança ganhou uma égua de presente, a Borboleta, sua “professora”, com
a qual ele superou metas, medos e desafios. Depois ganhou outra égua, uma manga-larga marchadorHamamélis. Com essa, Cláudio desenvolveu habilidades inusitadas
e inesperadas. Aos 15 anos, ele entrou para a Escola de Equitação da Sociedade Hípica Paulista, iniciando uma nova etapa e disciplina, pois enfrentaria
novos desafios. Aprender a montar e a saltar.

Foram meses de muito trabalho e garra, para Cláudio adquirir postura, equilíbrio, e domínio, haja vista que cavalgar e tocar gado são etapas muito diferentes
de montar e saltar. Com muita dedicação e vontade de vencer, todo seu esforço valeu a pena. Primeiro foram as provas de salto, iniciando pelo plano, depois
as de 20 cm , e em seguida as de 40 cm. Nessa última, Cláudio foi campeão do ranking interno, na categoria sênior, em 2004. A partir daí começou uma nova
etapa: a saltar os 60 cm. Nessa prova, ele obteve várias colocações e premiações. Hoje, aos 23 anos, ele é campeão no hipismo.

Claudio treina três vezes por semana, durante uma hora As provas acontecem todos os meses na Hípica e somam pontos para o ranking final. O objetivo é cumprir
um percurso de 8 a 10 obstáculos, no qual o reconhecimento da pista é feito a pé, em um tempo desconhecido (tempo ideal que é calculado pelos dirigentes,
num percurso determinado por eles e divulgado apenas no final das provas). Vence quem não comete faltas durante o percurso e completa a prova no tempo
ideal.

Muito atencioso e bem humorado, o jovem faz amizades com facilidade e concorre de igual para igual com seus companheiros. “Neste momento, posso afirmar
que ele é incluído na Escola de Equitação sem diferenças ou privilégios”, conta a mãe Lisabeth Aleoni Arruda. O preconceito Cláudio tira de letra. “Ele
aprendeu a demonstrar que pode SER, mesmo sendo Down, e é muito respeitado, pois se faz respeitar. Sou mãe da geração estimulação precoce e de muitas batalhas
para chegar aonde chegamos. Sinto-me honrada por poder mostrar para sociedade que basta acreditar, praticando a inclusão e dando oportunidades para que
ela possa de fato acontecer.”

Claudio e sua mãe têm mais motivos para comemoração. É que o jovem cavaleiro completou dois anos de trabalho, em outubro de 2008. Contratado com registro
na carteira de trabalho pelo restaurante Applebee’s, na unidade do Shopping Morumbi, em São Paulo, trabalha na função de assistente de serviços gerais.
Ele mantém uma rotina semelhante aos milhões de trabalhadores brasileiros: acorda cedo para ir ao trabalho e só volta para casa no final do dia. “Eu ralo
muito, todo dia, ajudo todas as pessoas da equipe.”

O envolvimento de Cláudio com o hipismo está além da pratica esportiva. “Meu plano é trabalhar com a equoterapia e ajudar crianças com deficiência”, diz
o atleta.

Se depender de dedicação e experiência com certeza Cláudio realizará o seu objetivo. Antes do restaurante Applebee’s ele já trabalhou na loja Golden Horse
e nas Paraolimpíadas desportivas, organizadas pela Equoterapia da Sociedade Hípica Paulista. O evento acontece anualmente e além de participar das provas,
juntamente com outros atletas com deficiência, Cláudio sempre é convidado para trabalhar como staff – dando apoio às pessoas com necessidades especiais,
levando cadeira de rodas, cavalos e acessórios para montaria.

Claudio está saltando 0.80m no ranking da Hípica Paulista e nas provas da Fundamental da FPH. Em 2009, a expectativa é se aperfeiçoar cada vez mais. “Ele
ficará na série preliminar para tornar-se mais seguro e firme”, diz a mãe.

Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

Arquivado em: Notícias.
Assuntos:  , , , , , .
MAQ às 14:02.
Post visitado 16996 vezes, 3 foram hoje.

Últimos 20 posts publicados.

Saltar resumo e ir para "ESCOLHA POR ASSUNTO".

A Fundação Dorina Nowill para Cegos tem uma nova versão para o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa em formato digital acessível Daisy – Digital Accessible Information System. O Instituto Helena Florisbal foi o parceiro para a viabilização deste projeto, que conta com a produção e disponibilização de cinco mil dicionários em português com as novas […]

 

Dança no MIS e Unlimited apresentam: MARC BREW, bailarino e coreógrafo da Escócia, na performance REMEMBER WHEN e uma residência (processo criativo aberto ao público) junto à bailarina brasileira Gisele Calazans. As atividades fazem parte do programa mensal: Dança no MIS, com curadoria de Natalia Mallo, que convida coreógrafos a escolher uma área do Museu […]

 

A ANCINE colocou em Consulta Pública, até o dia 08 de julho, Notícia Regulatória e Relatório de Análise de Impacto – AIR que discutem a implementação de ações para regulamentar a promoção da acessibilidade em salas de cinema, com disponibilização de recursos de legendagem descritiva, LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais e audiodescrição que possibilitem […]

 

Está chegando ao fim o curso de Especialização em Audiodescrição promovido pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em parceria com a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD). Em iniciativa inédita, foi possível viabilizar o primeiro curso sobre esta temática a nível de especialização no Brasil, com o principal […]

 

MARIA LUÍSA BARSANELLI. De SÃO PAULO. Em um cantinho ao lado do palco, Rafaella Sessenta, 32, alonga braços e pernas. Posiciona-se frente a uma câmera e aguarda a largada: o início de um show em tributo a Michael Jackson, realizado no domingo (31/5) em São Paulo. Rafaella é tradutora de libras (Língua Brasileira de Sinais) […]

 

O curso de Especialização em Audiodescrição promovido pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), abrirá uma segunda turma ainda este ano. Estão previstas 100 vagas a partir do segundo semestre. O curso tem o objetivo de capacitar profissionais para promover a […]

 

A AFB (American Foundation for the Blind, ou Fundação Americana para Cegos) anunciou nesta semana os nomes dos quatro homenageados que receberão o prestigioso prêmio Helen Keller na noite do dia 18 de junho, em Nova York (Estados Unidos). Estamos homenageando as realizações de indivíduos e empresas pelo sucesso na melhoria da qualidade de vida […]

 

Estão abertas as inscrições para o 7º Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes Sobre Deficiência. Ficha de inscrição e regulamento, acesse: www.assimvivemos.com.br Em 2015, o Festival Assim Vivemos chega à sua 7ª edição. É com enorme alegria que iniciamos mais uma busca pelos melhores filmes produzidos no mundo sobre o tema da pessoa com […]

 

A diretora da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do TRT5 (Setic), Cláudia Jorge, participou da primeira reunião da Comissão Permanente de Acessibilidade do sistema Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) em 2015, na última terça-feira (14/4). A comissão tem como objetivo principal propor medidas para facilitar o acesso de pessoas com […]

 

É hora de deixar de observar apenas a obrigação legal da contratação de pessoas com deficiência física e analisar os ganhos econômicos e sociais da inclusão Silvia Torikachvili. Observando os exemplos mencionados ao longo da reportagem, percebe-se que, quando as empresas decidirem contratar talentos em lugar de deficiências, elas entrarão para o melhor dos mundos. […]

 

Durante a exposição, cada foto será acompanhada de um fone de ouvido com a audiodescrição da imagem para pessoas com deficiência visual. Assistir a uma peça de teatro, ir ao cinema ou a uma exposição cultural são programas simples, mas que não podem ser experimentados em sua totalidade por todos. Isso porque para uma pessoa […]

 

Prefeitura de Belo Horizonte pode questionar na Justiça a legislação, promulgada pela Câmara. por LUCIENE CÂMARA. Ser rejeitada como aluna em uma escola de pilates por ter epilepsia é somente um exemplo do preconceito sofrido em 2014 pela aposentada Márcia Martins Ferreira, 56. Ela e outros pacientes com a doença também já se depararam com […]

 

Jornalista é fundadora da ONG Escola de Gente, que promove ações em diferentes áreas pelo fim da exclusão. Nome: Claudia Werneck. Profissão: jornalista. Atitude transformadora: atua na inclusão de pessoas com deficiência. Crédito: Felipe Fittipaldi. Com catorze livros lançados sobre o tema e 28 comendas nacionais e internacionais — entre elas uma condecoração da Organização […]

 

Prezados(as), Segue abaixo informações sobre Pós Interdisciplinar em Tecnologia Assistiva em BH sob a coordenação de Maria de Mello. Todas as informações estão disponíveis em: http://technocare.net.br/pos-graduacao-em-tecnologia-assistiva-turma-em-bh. As inscrições podem ser feitas pelo site também. Feliz Natal e um 2015 de sucesso! Dra. Maria Aparecida Ferreira de Mello. 31 9428 9100; 31 3443 2200. Pós Doutora […]

 

Por Lydia Denworth. Quando descobri que meu filho não podia ouvir, percebi que na verdade era eu que não estava, de fato, escutando. Antes que meu filho mais novo, Alex, fizesse dois anos, nós descobrimos que ele tinha uma perda auditiva significativa que tendia a piorar. Algumas semanas mais tarde, me vi no ginásio da […]

 

Encontro de Audiodescrição aborda circulação da pessoa com deficiência visual em museus, parques e eventos Evento, promovido pelo Núcleo de Pesquisa em Inclusão, Movimento e Ensino a Distância, acontece na Faculdade de Engenharia, de 27 a 29 de novembro. A circulação da pessoa com deficiência visual em diversos tipos de ambientes é o tema do […]

 

Neste caso percebe-se que as empresas, por preconceito estão perdendo pessoas qualificadas, inteligentes, que poderiam contribuir muito para o sucesso da empresa. É cada vez maior o número de pessoas com deficiência ingressando no serviço público. Este aumento tem uma razão plausível, que é a exclusão realizada pelas empresas às pessoas com deficiência, muitas vezes […]

 

As respostas gentis do sistema operacional inteligente conquistaram o garoto Gus, de 13 anos. por Judith Newman | The New Yok Times. Será que sou uma péssima mãe? Fiquei pensando sobre isso ao observar meu filho de 13 anos conversando com Siri. Gus é autista e Siri, a “assistente pessoal inteligente” da Apple no iPhone, […]

 

Brasil, 23 de setembro de 2014. A Campanha Nacional pelo Direito à Educação e as entidades que compõem o Comitê Técnico da Semana de Ação Mundial 2014: Direito à Educação Inclusiva – por uma escola e um mundo para todos defendem que para construir um sistema de educação inclusivo, o Estado Brasileiro deve: Garantir o […]

 

OBJETIVO GERAL – Realizar o Evento I ENADES – Encontro Nacional de Audiodescrição em Estudo: Uma Programação Cultural-Científica para suas Férias. OBJETIVOS ESPECÍFICOS – Dar a conhecer o que é Audiodescrição, divulgar sua aplicabilidade e sua potencialidade na educação, no trabalho e no lazer, como recurso de acessibilidade comunicacional para as pessoas com deficiência, principalmente […]

 

 

 

Os posts mais visitados hoje.

  1. REMEMBER WHEN: PERFORMANCE DO BAILARINO E COREÓGRAFO MARC BREW COM AUDIODESCRIÇÃO NO MIS (134 visitas)
  2. Consulta pública sobre Notícia Regulatória e Relatório de Análise de Impacto sobre acessibilidade visual e auditiva em salas de cinema (134 visitas)
  3. Dicionário acessível para pessoas com deficiência visual (131 visitas)
  4. O que é Inclusão Escolar? (49 visitas)
  5. Ampliada a isenção do ICMS para pessoas com deficiência (14 visitas)
  6. Casal cria ONG que incentiva adotar crianças com deficiência (14 visitas)
  7. Deficiente visual tem isenção de ICMS na aquisição de veículo zero quilômetro. (14 visitas)
  8. Marta Gil (13 visitas)
  9. Dúvidas sobre a aposentadoria especial para pessoa com deficiência (13 visitas)
  10. Cego quer fazer Pornô. (10 visitas)
Bengala Legal.

eXTReMe Tracker