Conteúdo principal | Últimos 20 posts | Posts por assunto | Bengala Legal

Blog do Bengala Legal.

Rio de Janeiro, sábado, 10 de dezembro de 2016 - 22:27.

 

Conteúdo principal.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014.

Setores analisam trabalho pela educação inclusiva em Juiz de Fora

Máquina Braille.

Além do braile, discussão reforça diferentes aspectos da educação inclusiva (Foto: Roberta Oliveira/ G1).

O ingresso na escola é um grande momento para as famílias. Além do início do aprendizado, representa o convívio da criança em outro ambiente, com pessoas diferentes do seu cotidiano. No entanto, quando a criança possui algum tipo de deficiência, as famílias buscam – e nem sempre encontram – instituições capacitadas para fazer o ensino e a inclusão deste aluno. Nos ensinos infantil e fundamental, até o 9º ano, a responsabilidade de ensino é da rede municipal. A partir disso, cabe à rede estadual. Em Juiz de Fora, segundo dados da Secretaria de Educação, mil crianças com deficiência estavam cadastradas até 2013 na rede municipal. No Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, celebrado neste domingo (21), o G1 buscou informações do que está sendo feito no município neste sentido para receber o aluno.

A Escola Municipal Cosette de Alencar é uma referência no atendimento na cidade, que ao longo das últimas décadas vem se adaptando diante das demandas trazidas pelos novos alunos e famílias. Mas projetos assim ainda são a minoria. Representantes das secretarias estadual de educação e municipal de Juiz de Fora destacaram que este é um processo a longo prazo, que está em andamento, mas ainda há muito a ser feito em diferentes instâncias. Sindicatos de professores cobram mais estrutura para receber e ensinar a estes alunos. A professora responsável pelo Núcleo de Pesquisa em Acessibilidade, Diversidade e Trabalho, Maria Nivalda de Carvalho Freitas, destacou a importância da melhor formação aos professores para aperfeiçoar o processo de inclusão das crianças nas escolas.

Capacitação e aperfeiçoamento.
A recepção do aluno com deficiência cabe à rede municipal de ensino. Em Juiz de Fora, de acordo com a Secretaria de Educação, mil crianças com deficiência estavam cadastradas até 2013. Os dados de 2014 ainda não foram fechados. Até a última parcial, eram 1.198 estudantes. A estimativa da Prefeitura é de chegar a 1.250. “Temos três frentes de ação. O trabalho específico com a criança com deficiência; o trabalho com a família e a formação de professores; além da orientação e confecção ao suporte ao professor”, destacou a coordenadora de Supervisão de Atenção da Educação na Diversidade, Margareth Moreira.

De acordo com a coordenadora, tudo começa no cadastramento escolar. “A partir do cadastro, a rede municipal pode organizar o atendimento no ano letivo seguinte e tentar encaminhar a criança para a escola mais próxima da casa das famílias. Além disso, planejar o encaminhamento desta criança, verificar se precisa de um professor colaborativo”, explicou. Atualmente, das 101 escolas de Juiz de Fora, 35 possuem a sala multifuncional para o atendimento especializado no contraturno do aluno. “Há uma previsão para instalação em mais 14 escolas em 2015, que já estão recebendo o material do Ministério da Educação e os professores estão em processo de formação”, reforçou Margareth.

Materiais escolares.
Materiais da sala de recursos da E. M. Cosette de Alencar usados nos contraturnos com os alunos (Foto: Roberta Oliveira/ G1).

As crianças que estão em escolas onde não há salas como essas são encaminhadas para os Centros de Atendimento Educacional Especializado, a nomenclatura atual do antigo Núcleo Especializado de Atendimento à Criança Escolar (Neace). São quatro unidades, sendo a Sul, no Bairro Ipiranga; a Leste, no Linhares; a Centro, na Rua Batista de Oliveira, que recebe as crianças das regiões Nordeste, Centro, Zona Rural e de parte da Zona Norte e o Sudeste, no Poço Rico, que recebe outra parte da Zona Rural e da Zona Norte, além das regiões Sudeste e Oeste. “Cada uma atende a 120 crianças, no contraturno escolar, com complemento específico para cada aluno e suporte ao trabalho já realizado em sala de aula”, disse a coordenadora.

Além disso, Juiz de Fora é polo do programa “Educar na Diversidade”, responsável pela formação de profissionais de 95 municípios do entorno, com o Seminário de Educação Inclusiva, aulas de Língua Brasileira de Sinais (Libras) e braille. “Nós temos 350 professores em nossos programas de formação continuada. Nos últimos dois anos, 700 participaram do Seminário”. No entanto, ainda não é suficiente para todo o atendimento. É uma história que a gente tem caminhado e ainda tem muito a conquistar”, ponderou a coordenadora.

Projeto de ampliação na rede estadual.
Na rede estadual de ensino, segundo informações repassadas pela assessoria da Secretaria de Estado de Educação em Belo Horizonte, dados do Censo Escolar de 2013 apontam que o município de Juiz de Fora possui 45 escolas estaduais com 514 alunos. Destas, 44 são instituições regulares com 354 alunos e a Escola Estadual Maria das Dores de Souza, no Centro, exclusivamente de Educação Especial, com 160 alunos com alguma deficiência.

A diretora de Educação Especial da Secretaria do Estado de Educação, Ana Regina de Carvalho explicou como é o atendimento. “A orientação é levantar quais são as necessidades deste aluno, para que seja feito um plano individualizado de desenvolvimento deste aluno e do atendimento especializado na sala de recursos no contraturno”, disse.

Em Juiz de Fora, são 15 salas de recursos instaladas nas escolas estaduais Belmiro Braga, Nossa Senhora Aparecida, Ali Halfeld, Deputado Olavo Costa, Clemente Mariani, Estêvão de Oliveira, Fernando Lobo, Maria das Dores de Souza, Maria Ilydia Resende Andrade, Mariano Procópio, Mercedes Nery Machado, Professor Lopes, Professor Teodoro Coelho, São Vicente de Paulo e no Instituto Estadual de Educação.

“Estamos construindo uma proposta que tenha condições de trabalhar com qualidade com todos os alunos. A gente tem avançado na área de qualificação dos profissionais, no uso dos recursos de tecnologia assistida, além do número de salas de recursos”, disse Ana Regina de Carvalho. A proposta é impedir deslocamentos dos alunos e que ele tenha o atendimento na instituição onde já está matriculado. “Queremos ampliar a cada ano, porque ainda não temos a cobertura em todos os municípios. É um atendimento que está expandindo e a tendência é que a gente chegue ao ponto de cada escola ter a sala de recursos para evitar que o aluno tenha de ir para outra escola”, afirmou a diretora de Educação Especial da Secretaria do Estado de Educação.

Instituto de Educação.
Instituto Estadual de Educação, no Centro, é uma das escolas estaduais com sala de recursos em Juiz de Fora (Foto: Reprodução/ TV Integração).

Qualificação do professor.
A professora do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São João del Rei
(UFSJ), responsável pelo Núcleo de Pesquisa em Acessibilidade, Diversidade e Trabalho (NACE), Maria Nivalda de Carvalho Freitas, reforçou a importância da busca pela inclusão. “É uma situação complexa, mas, do meu ponto de vista, necessária para garantir uma sociedade com menos desigualdade. O pressuposto adotado é de que a sociedade e as organizações sociais, escola, trabalho, lazer, precisam incluir e ser acessível a todos. Esse pressuposto é denominado de Modelo Social da Deficiência e é um paradigma que norteia o trabalho e as pesquisas no mundo, na atualidade”, afirmou.

Durante um ano, ela participou de uma pesquisa sobre a formação de alunos de licenciatura de Educação Física em atividades teóricas e práticas e na forma como se relacionavam com as pessoas com deficiência. “Os problemas existem, mas a despeito deles, é necessário criar condições para garantir o direito de todos. Nossa sociedade e as escolas ainda estão despreparadas”, comentou a professora.

É preciso criar condições para garantir o direito de todos. Nossa sociedade e as escolas ainda estão despreparadas”
Maria Nivalda de Carvalho, responsável pelo Núcleo de Pesquisa em Acessibilidade, diversidade e trabalho da UFSJ
De acordo com a pesquisa, os universitários acompanhados, mesmo com toda a formação teórica, enfrentavam sensação de medo, associado principalmente às dificuldades de não saber como agir, como colocar limites e de duvidar se efetivamente poderiam contribuir. “Ausência de conhecimento que fosse capaz de auxiliá-los a lidar com a nova realidade que se apresentava. As ações requeridas exigiam que conseguissem articular o que conheciam teoricamente com uma realidade que desconheciam”, afirma o texto da pesquisa.

De acordo com o relato da pesquisa, o medo e a insegurança passavam à medida que a situação deixava de ser desconhecida e quando os estudantes buscavam alternativas. “Os universitários adotaram diferentes pautas de conduta. Todos eles, em tempos diferentes, buscaram se aproximar dos alunos com deficiência, observaram a condução das aulas dos colegas, fizeram anotações e discutiram o que acontecia após cada aula ministrada”, afirmou o texto. Algumas abordagens foram reavaliadas conforme os universitários percebiam que não eram as melhores para o grupo em vista da meta de inclusão. Os resultados destacaram a necessidade de que os professores superem a avaliação a partir das próprias experiências, ampliem as referências e desviem o olhar da deficiência para as potencialidades, que deveriam constar na formação dos futuros professores, tornando-se matéria-prima para a promoção de uma educação inclusiva.

A professora Maria Nivalda de Carvalho Freitas reforçou que é necessário continuar o processo e vencer todas as etapas nesta jornada pela inclusão. “As demandas cotidianas trazidas por cada aluno com deficiência que chega à escola produzem concretamente uma necessidade de mudança. Essas situações produzem transformações sociais, reflexões que contribuem para a construção de uma nova forma de organização social”, afirmou.

Cobrança por melhorias.
O G1 procurou os sindicatos dos profissionais de educação estadual e municipal para uma análise deste quadro. Segundo o posicionamento enviado pela subsede Juiz de Fora do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Minas Gerais (Sindi-Ute), a educação inclusiva é um projeto positivo ao abrir espaço e incentivar a convivência entre os diferentes.

No entanto, o Sindi-ute ressalta que o problema está no contexto de precarização do trabalho, no ensino e de estrutura. Salas superlotadas, que dificulta a inclusão e o acompanhamento deste aluno, mesmo que ele tenha um acompanhamento individual, que são poucos casos, segundo o sindicato. O sindicato ressaltou ainda que a deficiência da escola em não ter uma equipe multifuncional compromete a relação e o acompanhamento dos alunos com os outros estudantes e os professores. O Sindi-Ute destacou que a situação está muito aquém do que deveria. Ainda não existem salas de recurso em todas as escolas, o que obriga algumas famílias a se deslocarem, mas nem todas têm condições.

Rampa de acesso.

Escada foi transformada em rampa na E.M. Cosette
de Alencar (Foto: Roberta Oliveira/ G1)

Contestações semelhantes surgiram na conversa com o Sindicato dos Professores Municipais (Sinpro) em Juiz de Fora. A coordenadora geral, Aparecida de Oliveira Pinto, também concordou com a importância pedagógica da inclusão, no entanto, destacou que as limitações comprometem o trabalho.

“O professor é o que vai educar, teria que ter outro profissional para dar este amparo para as necessidades que não sejam educacionais. É a maior dificuldade. Na hora do intervalo, ele que dá a merenda à criança ou mesmo troca fraldas. Não adianta colocar no papel a educação inclusiva, mas se ela ainda não seja na prática, inclusive na acessibilidade. A grande maioria das nossas escolas não é. Houve casos de pais que tiveram que transferir para uma escola mais longe de casa porque a mais próxima não tem acessibilidade”, resumiu.

Aparecida de Oliveira Pinto também lembra a necessidade de formação continuada e adequada para o professor e outros profissionais que atuam na educação. “O ideal é não jogar o aluno na sala de aula diante de um professor. Não adiantam só os cursos de curta duração, porque as demandas continuam aparecendo. Uma preparação abrangente de todas as categorias que atuam na escola porque não apenas o professor de sala é responsável por esta criança”, analisou a coordenadora.

A coordenadora geral do Sinpro cobrou mais ação do poder público. “É quem tem que preparar o prédio fisicamente, preparar o professor, para receber esta criança. Há necessidade de investimento na questão humana, de formar e qualificar tanto professor quanto funcionários na questão de atendimento a este aluno em todas as suas necessidades e suportes. Porque o aluno merece esta educação de qualidade”, afirmou.

Fonte: CBNSite Externo..

Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

Arquivado em: Notícias.
Assuntos:  , , , .
Gil Porta às 1:18.
Post visitado 12418 vezes, 2 foram hoje.

terça-feira, 23 de setembro de 2014.

Pessoa com necessidades especiais tem direito a passe livre de avião

Não há razão jurídica ou econômica para que pessoas com necessidades especiais sem dinheiro não tenham transporte aéreo gratuito. Assim decidiu o juiz da 25ª Vara Cível do Distrito Federal, ao determinar que a empresa aérea Avianca disponibilize uma vaga, em até dez dias, para que um homem faça seu tratamento médico em outro estado, sob pena de multa.

Foto: Saguão de aeroporto.O autor ajuizou ação de obrigação com pedido de urgência, pois ele mora no Distrito Federal e tem uma doença cujo tratamento deve ser feito na Bahia, mas não possui condições financeiras.

O juiz reconheceu estarem presentes os requisitos para conceder a tutela de urgência, tendo o autor demonstrado ser deficiente, carente, e ter direito ao transporte gratuito (Passe Livre), benefício concedido pelo Governo Federal — o Ministério dos Transportes garante viagens gratuitas nos veículos e embarcações das empresas que operam serviços de transportes interestaduais coletivos de passageiros nas modalidades rodoviária, ferroviária e aquaviária.

Em sua decisão, o magistrado destacou que as normas que regulam o Passe Livre não trazem proibição expressa de seu uso em relação aos transportes aéreos e apontou que tal limitação seria ofensiva aos direitos fundamentais, bem como contraria as políticas públicas de integração das pessoas com deficiência.

“Saliente-se que o Decreto 3.691/00 atribuiu apenas ao Ministro de Estado dos Transportes a regulamentação do Passe Livre. Sobreleva o fato de que a norma legal não excluiu expressamente qualquer transporte e utilizou redação genérica designando tão-somente ‘transporte coletivo interestadual’”, afirmou o juiz.

E concluiu: “A omissão do Poder Executivo não pode impedir o acesso das pessoas portadoras de necessidades especiais ao transporte coletivo gratuito, sob pena de contrariar a tutela eficaz dos direitos fundamentais. Há de se acentuar, ainda, que as políticas públicas voltam-se à plena integração da pessoa portadora de deficiência, a fim de assegurar o pleno exercício dos direitos individuais e sociais, inclusive no tocante ao acesso ao transporte”.

Cabe recurso contra a decisão. Com informações do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios.

Fonte: Consultor JurídicoSite Externo..


Nota do Bengala Legal: De acordo com a “Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência” o termo correto para essa parcela da população é: “pessoa com deficiência”.
Em 03 de novembro de 2010 foi publicada a Portaria nº. 2.344 da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, que aboliu o termo “portador de deficiência”, regulamentando como termo correto “pessoa com deficiência”.


Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

Arquivado em: Notícias.
Assuntos:  , .
Gil Porta às 12:31.
Post visitado 12471 vezes, 12 foram hoje.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014.

Ele só pode piscar os olhos e, ainda assim, dá aulas na UFJF

Rayder Bragon.
Do UOL, em Belo Horizonte.

Vanderlei Corradini Lima.

Vanderlei Corradini Lima, 53, é portador da esclerose lateral amiotrófica (ELA)

O médico e professor Vanderlei Corradini Lima, 53 anos, é portador da esclerose lateral amiotrófica (ELA)Site Externo., com sintomas diagnosticados em 2010. Mesmo tendo que conviver com as extremas limitações físicas impostas pela enfermidade, ele reencontrou a felicidade de continuar na profissão ao ser convidado para ministrar aulas na UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora), localizada na cidade de Juiz de Fora a 278 km de Belo Horizonte.

Nos últimos meses, pessoas famosas passaram a encarar o “desafio do balde de gelo” como maneira de atrair atenção para a enfermidade. Há também o mote de o desafiado fazer uma doação em dinheiro a uma instituição que trata pacientes com a ELA.

“A doença me tirou muita coisa, não falo, não ando, não como, não saio de cima de uma cama, mas não tirou minha capacidade de servir e enfim ser feliz”, descreveu Lima ao UOL em entrevista concedida por e-mail. Ele afirmou ter conseguido trabalhar até julho de 2011. Atualmente, ele vive com a mulher e dois filhos na cidade de São Sebastião do Paraíso, cidade no sul de Minas Gerais e distante 400 km da capital mineira.

Há três semestres, o profissional atua como professor convidado, no curso de medicina da universidade, e no qual interage a distância com alunos do 2º período na disciplina fisiologia médica, que aborda tópicos de neurofisiologia.

Ele dispõe de computador munido de um programa e um leitor infravermelho que captam os movimentos dos globos oculares, que não foram afetados pela doença. Por meio de um mouse e um teclado virtual ele consegue interagir com a máquina e utilizá-la normalmente.

“Há uma página específica no site da universidade com uma plataforma virtual de ensino a distância. Cada semana um novo caso clínico é discutido entre professores, monitores e alunos”, disse referindo-se à plataforma utilizada para ensino a distância (Moodle). Segundo ele, o retorno dado pelos alunos foi considerado positivo.

“Meu intuito sempre foi de agregar à disciplina uma visão prática e humanista, gerando um ensino mais próximo da realidade que irão enfrentar. O retorno positivo foi confirmado pela participação dos alunos. Especificamente em relação ao caso clínico da ELA podemos aproveitar ao máximo, já que eles tinham a visão de um paciente e um médico na discussão”, disse.

Ele participa dos fóruns de discussão online promovidos por meio da plataforma abordando aspectos práticos e psicobiossociais dos casos discutidos, além de responder a questionamentos feitos pelos universitários do curso.

Vanderlei Corradini Lima.
Bem humorado, ele enviou esta foto para ilustrar a reportagem sobre sua experiência como professor no curso de medicina da UFJF.

Experiência.
Responsável pelo convite feito ao médico, a professora Carla Malaguti, que ministra aulas de fisiologia no curso de medicina da UFJF, disse ter visto que Lima postava mensagens nas redes sociais. Assim, ela vislumbrou uma maneira de trazer a experiência do médico para seus alunos.

“Como ministro aulas de neurofisiologia no curso de medicina, na qual são abordados o funcionamento do sistema nervoso, bem como as disfunções neurológicas como a ELA, imaginei que com a experiência do doutor Vanderlei, enquanto médico e sua vivência como paciente vítima dessa doença, seria muito oportuno e produtivo incorporá-lo nas discussões de casos clínicos”, informou.

A professora afirmou ter tido o respaldo dos diretores do curso e disse que a interação entre os alunos e Lima é um “exemplo a ser seguido”.

“Ele trouxe a riqueza das suas experiências profissionais, argumentando, apimentando e desafiando os acadêmicos a buscarem respostas muitas vezes não encontradas em livros ou artigos. Os alunos ficaram mais interessados, curiosos e motivados no saber ao lidar com um caso real de uma doença debilitante como a ELA através de uma nova tecnologia de comunicação”, contou.

Carla Malguti confidenciou que há planos de utilizar o conhecimento de Lima nos cursos de fisioterapia e psicologia.

“A história do doutor Vanderlei mostra como pessoas limitadas por aspectos físicos podem romper fronteiras e se manterem produtivas, pois além de poderem contribuir com a sociedade, podem também manter parte da satisfação com a vida ao se sentirem úteis”, salientou. Carla disse que a divulgação da doença é importante para mobilizar a sociedade com a arrecadação de fundos que permitam pesquisas para tentar encontrar a cura da doença ou minorar os efeitos dela nos portadores.

Escritor.
“Minha história talvez seja diferente da maioria dos pacientes, pelo fato de ser médico, eu mesmo fiz o diagnóstico clínico, e, após a confirmação, preparei minha vida e minha família para tudo que iria enfrentar. Nessa situação é fundamental a aceitação”, disse.

Recentemente, ele escreveu um livro, no qual aborda a doença, e se prepara para a confecção de outro. “Na verdade, o que deu origem ao livro EU E ELAS, foram as várias conversas pelas redes sociais, onde percebi que esperavam de mim um médico de almas. Assim pude servir e ser útil, minha verdadeira vocação, escrevendo crônicas”, avaliou. O título faz referência a sua experiência com a medicina, a música e a doença. O próximo livro, segundo ele, terá o título de “O Médico de Pijamas e suas Estórias”.

Fonte: UOL EducaçãoSite Externo..

Facebook.Compartilhar no Facebook.

Twitter.Publicar no Twitter.

Arquivado em: Pessoas com Deficiência.
Assuntos:  , , .
Gil Porta às 13:40.
Post visitado 7789 vezes, 6 foram hoje.
« Posts mais novosPróximos Posts »

Últimos 20 posts publicados.

Saltar resumo e ir para "ESCOLHA POR ASSUNTO".

Projeto “Emoti Sounds” é plug-in que permite que deficientes visuais tenham uma experiência emotiva na leitura dos emoticons O Festival Internacional de Criatividade de Cannes divulga o seu primeiro shortlist. O projeto “Emoti Sounds”, da Artplan para Tim Live, é o único brasileiro entre os 39 selecionados pelo júri de Innovation Lions e concorre na […]

 

Descrição da imagem: Cena do documentário “Boa Noite, Solidão”: Geneton Moraes Neto entrevista o sertanejo Ginaldo José da Silva. O documentário será transmitido pela GloboNews neste sábado. O documentário “Boa noite, Solidão” será exibido pela GloboNews neste sábado, dia 16, às 21h05 e será o primeiro programa da emissora a contar com o recurso da […]

 

Tecnologia está sendo desenvolvida em Criciúma, no Sul de Santa Catarina. Elisabete Barbosa é uma das primeiras pessoas a fazer uso do Via Voz (Foto: Globo). Imagine um GPS dentro de uma biblioteca. Em vez de ruas, ele mostra os caminhos entre as prateleiras. Parece coisa do futuro, mas essa tecnologia já existe e serve […]

 

Há mais de 20 anos que a fundação beneficente “Livros Ilustrados para Crianças Cegas” publica e oferece livros com páginas musicais a crianças com deficiência visual. Entre as obras estão contos tradicionais russos e estrangeiros. Foto: Fundação de beneficência “Livros Ilustrados para Crianças Cegas Pequenas”. “Os nossos livros ajudam a criar situações em que uma […]

 

O tradutor Libras em Software Livre (VLibras) versão mobile já está disponível para ser baixado e vai ampliar o acesso das pessoas com deficiência auditiva aos meios digitais. O conjunto de aplicativos faz a tradução de conteúdos digitais (texto, áudio e vídeo) para Libras, a Linguagem Brasileira de Sinais. Os softwares desenvolvidos pelo Ministério do […]

 

A área de negócios sociais Soluções em Acessibilidade, da Fundação Dorina Nowill para Cegos, lança com exclusividade o aplicativo AudiFoto. A novidade é mais uma tecnologia direcionada às empresas que desejam participar da inclusão de pessoas com deficiência em museus, exposições e locais em que as imagens são peças fundamentais para a experiência dos visitantes. […]

 

Em São Paulo, no Centro Cultural Banco do Brasil Desde 2003, o Assim Vivemos tem sua programação totalmente acessível para pessoas com deficiência visual e auditiva. Audiodescrição e legendas em português (LSE) em todas as sessões, catálogo em Braille e Interpretação em LIBRAS nos debates. No CCBB, todos os ambientes têm acesso para pessoas com […]

 

“Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência” chega a sua 7ª edição em 2015 no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (de 5 a 17 de agosto), de São Paulo (23 de setembro a 5 de outubro) e de Brasília (de 2 a 14 de março de 2016), trazendo 33 […]

 

Neste sábado, 01 de agosto, estreia mais uma peça da Oficina dos Menestréis. O trabalho deles é maravilhoso e super alto astral. Recomendo. O elenco é inclusivo: Atores e atrizes com e sem deficiência. Com audiodescrição no dia 09 e Libras no dia 16. Sobre a peça: Aldeia dos Ventos é um musical de Oswaldo […]

 

Para grande parte da população a tecnologia facilita. Para pessoas com deficiência visual a tecnologia possibilita. O projeto F123 é um software inovador, de baixo custo e alta eficiência, que possibilita o acesso à educação e à informação, favorecendo oportunidades de trabalho e a utilização de tecnologias por pessoas com deficiência visual. O F123 permite […]

 

A Fundação Dorina Nowill para Cegos tem uma nova versão para o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa em formato digital acessível Daisy – Digital Accessible Information System. O Instituto Helena Florisbal foi o parceiro para a viabilização deste projeto, que conta com a produção e disponibilização de cinco mil dicionários em português com as novas […]

 

Dança no MIS e Unlimited apresentam: MARC BREW, bailarino e coreógrafo da Escócia, na performance REMEMBER WHEN e uma residência (processo criativo aberto ao público) junto à bailarina brasileira Gisele Calazans. As atividades fazem parte do programa mensal: Dança no MIS, com curadoria de Natalia Mallo, que convida coreógrafos a escolher uma área do Museu […]

 

A ANCINE colocou em Consulta Pública, até o dia 08 de julho, Notícia Regulatória e Relatório de Análise de Impacto – AIR que discutem a implementação de ações para regulamentar a promoção da acessibilidade em salas de cinema, com disponibilização de recursos de legendagem descritiva, LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais e audiodescrição que possibilitem […]

 

Está chegando ao fim o curso de Especialização em Audiodescrição promovido pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em parceria com a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD). Em iniciativa inédita, foi possível viabilizar o primeiro curso sobre esta temática a nível de especialização no Brasil, com o principal […]

 

MARIA LUÍSA BARSANELLI. De SÃO PAULO. Em um cantinho ao lado do palco, Rafaella Sessenta, 32, alonga braços e pernas. Posiciona-se frente a uma câmera e aguarda a largada: o início de um show em tributo a Michael Jackson, realizado no domingo (31/5) em São Paulo. Rafaella é tradutora de libras (Língua Brasileira de Sinais) […]

 

O curso de Especialização em Audiodescrição promovido pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), abrirá uma segunda turma ainda este ano. Estão previstas 100 vagas a partir do segundo semestre. O curso tem o objetivo de capacitar profissionais para promover a […]

 

A AFB (American Foundation for the Blind, ou Fundação Americana para Cegos) anunciou nesta semana os nomes dos quatro homenageados que receberão o prestigioso prêmio Helen Keller na noite do dia 18 de junho, em Nova York (Estados Unidos). Estamos homenageando as realizações de indivíduos e empresas pelo sucesso na melhoria da qualidade de vida […]

 

Estão abertas as inscrições para o 7º Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes Sobre Deficiência. Ficha de inscrição e regulamento, acesse: www.assimvivemos.com.br Em 2015, o Festival Assim Vivemos chega à sua 7ª edição. É com enorme alegria que iniciamos mais uma busca pelos melhores filmes produzidos no mundo sobre o tema da pessoa com […]

 

A diretora da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do TRT5 (Setic), Cláudia Jorge, participou da primeira reunião da Comissão Permanente de Acessibilidade do sistema Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) em 2015, na última terça-feira (14/4). A comissão tem como objetivo principal propor medidas para facilitar o acesso de pessoas com […]

 

É hora de deixar de observar apenas a obrigação legal da contratação de pessoas com deficiência física e analisar os ganhos econômicos e sociais da inclusão Silvia Torikachvili. Observando os exemplos mencionados ao longo da reportagem, percebe-se que, quando as empresas decidirem contratar talentos em lugar de deficiências, elas entrarão para o melhor dos mundos. […]

 

 

 

Os posts mais visitados hoje.

  1. O que é Inclusão Escolar? (94 visitas)
  2. Dúvidas sobre a aposentadoria especial para pessoa com deficiência (55 visitas)
  3. Cannes: case de Artplan e Tim é único finalista do Brasil em Innovation (41 visitas)
  4. GLOBONEWS LARGA NA FRENTE E ESTREIA AUDIODESCRIÇÃO (39 visitas)
  5. Aplicativo serve como guia auditivo para pessoas com deficiência visual (37 visitas)
  6. Isenção de pedágio da Linha Amarela para idosos e pessoas com deficiência. (26 visitas)
  7. Oficina “De Olho no Braille” e Workshop de Livro Acessível/audiodescrição. (26 visitas)
  8. Tecnologia para ouvir (25 visitas)
  9. TST, CNJ e CSJT firmam compromisso para ampliar a acessibilidade ao PJe-JT (24 visitas)
  10. Pós-graduação em audiodescrição na UFJF (24 visitas)
Bengala Legal.

eXTReMe Tracker